domingo, 13 de janeiro de 2013

ESPECIAL VIAGEM AO MÉXICO!!!! (PARTE 03)

A terceira e última parte das informações para quem pretende um dia conhecer o México. Aproveitem! O foco agora é a cidade de Oaxaca e seus arredores!

Texto:Dalton Delfini Maziero
Fotos: Dalton Delfini Maziero / Sandra Regina Orsini Maziero

 
       Vista de uma das principais ruas de Oaxaca, com seu estilo colonial.

OAXACA
A cidade de Oaxaca em si, já é um grande atrativo. Suas ruas centrais, com casarios coloniais, são muito bonitas. Contudo, as principais atrações estão fora da cidade, e para isso – a não ser que tenha um carro – terá que comprar uma Tur para conhecê-las. Eu indico a Monte Alban Tours, na rua Alcalá nº 206-F. São sérios, possuem ótimos guias e um bom preço. Usamos e gostamos!

No Centro Histórico, você deve ver:

CENTRO CULTURAL SÃO DOMINGOS
O Centro Cultural São Domingos tem um acervo imenso, que vai de artefatos arqueológicos a objetos religiosos e móveis do início do XX. A arquitetura desse monastério já vale o ingresso. Você percorre corredores intermináveis, abobadados, com exposições em todas as salas laterais. Reserve ao menos 2:30hs para ver tudo. O Centro Cultural fica na esquina Alcalá e Gurrión. É só perguntar que todo mundo da cidade conhece. Funciona de terça a domingo e o ingresso custa 57 pesos.
                  Centro Cultural São Domingos. Imenso e diversificado!

                                          Pátio central de São Domingos.
 
Peças arqueológicas fazem parte do acervo do Centro Cultural São Domingo.

MERCADO JUÁREZ
Dar uma volta nesse mercado é muito interessante! Ali você acha de tudo: alimentos, pimentas, doces, roupas, eletrônicos, sapatos, condimentos...Seus estreitos corredores oferecem surpresas a cada esquina. Se quer conhecer e comprar produtos da região, esse é o lugar! O mercado fica aberto diariamente, na rua 20 de Noviembre e Las Casas. São apenas duas quadras ao sul do Zócalo.
                         Mercado Juárez. Caos e produtos diversificados. 
 
Pela Monte Alban Tours, compre os seguintes pacotes:

Tur 01: Arbol de Tule, Tecelagem, ruinas de Mitla, Hierve la Água, Fábrica de mescal. O passeio custa 150 pesos por pessoa.

ARBOL DE TULE
O Arbol de Tule nada mais é do que uma das maiores e mais antigas árvores do mundo! Tem 42 metros de altura, 636 toneladas de peso e mais de 2 mil anos de idade! Se quiser chegar perto da árvore, deve-se pagar 10 pesos.
                     Arbol de Tule. Uma árvore gigantesca, da época de Cristo.
                                             Vista geral do Arbol de Tule.
 
TECELAGEM
Em seguida, a Tur leva os visitantes à um vale onde as famílias produzem suas próprias peças de tecelagem decorada. A senhora da casa nos explicou todo o processo de fiação manual, uso de pigmentos naturais e depois tivemos a oportunidade de comprar tecidos. Para quem tem interesse nesse tipo de peça (tapetes, caminhos de mesa, etc) este é o lugar!
          Produtos utilizados na tecelagem: algodão e pigmentos naturais.
 A loja existente em uma das residências. Aqui é o lugar para se comprar tecidos.

MITLA
Em seguida fomos conhecer as ruínas arqueológicas de Mitla, da cultura Zapoteca. As ruínas na verdade são formadas pelo que sobrou de um dos dois templos existentes no local. São ruínas belíssimas, decoradas com mosaicos de pedras que não vai ver em nenhum outro local. Mitla é imperdível! O “gringo” visitante deve pagar 43 pesos como taxa de contribuição para visitar o lugar.
                                          Vista de um dos templos em Mitla.

                                             Escadaria no templo principal.
                            Incríveis detalhes de encaixe das pedras em Mitla.

HIERVE LA AGUA
Em seguida fomos conhecer Hierve La Agua, que são formações rochosas de calcio que ficam num vale impressionante, em plena Sierra Madre à 3.800 metros de altura. Existem formações calcárias e piscinas naturais impressionantes e surrealistas! Pode-se tomar um banho aqui para quem tiver disposição.
          Vista panorâmica de Hierve la Agua e suas formações em cálcio.
                             Detalhe da piscina natural em Hierve la Agua.
           Do alto de Hierve la Agua, uma vista magnífica da Sierra Madre.

PRODUÇÃO DE MESCAL
A última parte do passeio, já voltando a Oaxaca, é dedicada a uma visita na fábrica de Mescal, uma bebida alcoólica forjada a partir de folhas de cactus. É muito interessante ver o processo de fabricação - bem rústico e artesanal – e experimentar da bebida. Lá se aprende que o mescal é que nem vinho, curtido pouco ou muitos anos, que imprime sabor e coloração diferente à bebida. Para quem quiser comprar mescal, este é o lugar! Não perca a chance!
                    A folha de cactus fermentando...ainda não é mescal!
           Loja de fábrica. Aqui sim o mescal em garrafas, curtido até 12 anos!

Tur 02: Monte Albán, alfebrijes, Igreja de Cuillapan de Guerrero, cerâmica negra. O passeio custa 150 pesos por pessoa.

MONTE ALBAN
No segundo dia de Tur, começamos pelas ruínas de Monte Albán, que nos ocupou toda a parte da manhã. As ruínas zapotecas formam um complexo impressionante no topo de uma montanha, com pirâmides, templos, campo de jogo de bola, praças e estátuas. O lugar é lindo! Impressionante! Imperdível! Um dos pontos altos de toda a viagem! Nessa época do ano – outubro – o solo das ruínas fica recoberto por grama, e por insetos que deixam muitas marcas de mordida nas pernas desavisadas de turistas. Vá de calça ou passe repelente antes de ir. Para conhecer as ruínas, paga-se 57 pesos a entrada.
                                  Campo do Jogo de Bola em Monte Alban.
                Uma das gigantescas escadaria centrais em Monte Alban.
                                              Vista geral de Monte Alban.
                        Monte Alban. Detalhe da Galeria dos "Dançarinos".

ALFEBRIJES
Saindo de Monte Albán, seguimos ao bairro de San Antonio Arrazola para observar uma família que vive da confecção de esculturas em madeira chamadas “alfebrijes”. O trabalho é de cair o queixo, tamanha a criatividade e colorido que os artistas colocam nas peças. Uma visita diferente e inusitada! Impossível sair de lá sem comprar algo!
                                    Passam o dia assim: pintando, pintando...
     A diversidade dos alfebrijes é absurda! Existem peças belíssimas!

IGREJA DE CUILLAPAN DE GUERRERO
Após um almoço maravilhoso na Hacienda Cuillapan, fomos até a Igreja de Cuillapan de Guerrero, que lembram um edifício medieval. Seus arcos e colunas são do século XVI.
                                         A Igreja de Cuillapan de Guerrero.
                  Almoço na Hacienda Cuillapan. Simplesmente espetacular!

CERÂMICA NEGRA
A última parte do passeio é dedicada a conhecer o processo de fabricação da famosa cerâmica negra em San Bartolo Coyotepec. Um dos membros da família local produziu uma cerâmica ao vivo para nós com extrema habilidade. Para quem pretende comprar cerâmica negra, este é o lugar! Absurdamente barato e com peças variadas!
                                               Produzindo cerâmica negra.
                           Após a produção, hora de vender! Loja de "fábrica".

ARTESANATO
Se pretende comprar um artesanato diferenciado, Oaxaca é o lugar! A cidade oferece uma infinidade de lojas em seu centro histórico – inclusive galerias -, com ótima qualidade e bom preço! Além do que, só nessa região é que vai encontrar os legítimos alfebrijes e cerâmica negra. Na Cidade do México, procure pelas lojas da FONARTE e também pelo Mercado de Artesanias “La Ciudadela”, um mercado gigantesco ao lado do metrô Balderas (ou 10 minutos de caminhada pela Av. Balderas saindo da Praça da Alameda Central).

 DINHEIRO
O câmbio que irei comentar aqui estava na seguinte relação: 01 Dólar = 12,5 Pesos. Hoje, basta entrar em uma página na internet tipo “Economia UOL” para ver a relação da moeda atual. É muito fácil!

No México, aceitam dólares e euros para troca em todas as casas de câmbio, além de outras moedas em menor escala. Eu levei um pouco dos dois. O Euro eles pagam 01 Euro = 16,4 Pesos. Ou seja, pagam mais do que o dólar.

 Você pode trocar parte do dinheiro no Aeroporto, quando desembarcar. Existe um monte de casas de câmbio por lá, ou nas cidades, onde também encontrará casas de câmbio próximas ao centro.

 Não troque o dinheiro todo de uma vez. Eu troquei 1/3 por vez. Levei 1500 dólares para gastar nesses 20 dias, dentro do México. No final, fiz tudo o que queria com 1200. Sobrou! Mesmo fazendo uma viagem muuuuito tranquila. Esse valor de 1.500 dólares cheguei através de pesquisa de valores na internet: preços de entradas em museus, passeios, transporte, custo de alimentação, etc. Não inventei nada. Dividindo o valor total que pretende levar pelos dias que ficará no México, terá o valor máximo que poderá gastar por dia. Se não fizer essa conta e se não controlar seus gastos pautado nela, correrá o risco de ficar no meio do caminho...

 Para andar pelas ruas, eu carregava comigo algo em torno de 800 pesos. Se fosse a algum passeio com possibilidade de compra de artesanato, levava 1200 pesos ou mais.

Após trocar o dinheiro, faça uma tabela como essa abaixo e leve com você nos passeios. Vai ajudar muito a identificar o preço de tudo o que compra e consome:

 05 pesos = 0,40 dólares
10 pesos = 0,80 dólares
15 pesos = 1,20 dólares
20 pesos = 1,60 dólares
25 pesos = 2,00 dólares
30 pesos = 2,40 dólares
50 pesos = 4,00 dólares
100 pesos = 8,00 dólares
200 pesos = 16,00 dólares
300 pesos = 24,00 dólares
400 pesos = 32,00 dólares
500 pesos = 40,00 dólares
1000 pesos = 80,00 dólares

HOTEIS
Na cidade do México, fiquei no Hotel FONTAN (Paseo de La Reforma, 24). Excelente localização. Quartos ótimos, equipados com cofre, tábua e ferro de passar roupa, varal, TV, telefone e ar condicionado. Café da manhã buffet incluso na diária, com uma vista espetacular da cidade. Contudo, para os padrões mexicanos, um hotel caro. Se você reservar com antecedência, conseguirá um preço melhor do que o da tabela. Pagamos 750 pesos por um quarto de casal. Site: http://www.hotelfontanmexico.com/
   Hotel Fontán. A foto ficou um pouco escura, mas o quarto é excelente!

Em Oaxaca, fiquei no Hotel Villa de León, a poucas quadras do Zócalo (5 minutos a pé). O Hotel é bem simples, mas limpo e de confiança. Está bem localizado e de lá dá para conhecer toda a cidade a pé, tranquilamente. Não tem café da manhã, mas tem uma cafeteria ao lado e um restaurante em frente. Pagamos 500 pesos por um quarto de casal. Site: http://www.hotelvilladeleon.com/
  Um dos quartos do Villa de León. Básico, mas barato, limpo e bem localizado.

Em Puebla, ficamos no Hotel Puebla Plaza. O prédio é um casarão antigo de dois andares, cheio de corredores. Um verdadeiro labirinto de quartos. As habitações são antigas, mas com boa estrutura e limpas. Muita gente pode reclamar da escadaria que tem que subir e o fato de alguns quartos não terem janelas para o lado de fora. Muitos, como o que ficamos, possuem uma porta-janela para o corredor interno, que é iluminado por uma claraboia. Não tem café da manhã, mas é muito bem localizado, ao lado do Zócalo. Pagamos 580 pesos pelo quarto de casal. Site: http://www.hotelpueblaplaza.com.mx/inicio
                   Pátio central do enorme casarão do Hotel Puebla Plaza.
 
ALIMENTAÇÃO
Comida Corrida
A comida corrida é nosso PF (prato feito). Lá no México, ela é mais barata e servida por etapas. Uma comida corrida é composta de uma sopa, 1º prato (ou entrada), 2º prato (ou prato principal), sobremesa e suco. Normalmente, você pode optar entre dois ou três tipos de sopas do dia e pratos principais. A única coisa estranha é que servem o 1º prato (muitas vezes arroz...só arroz temperado) e só quando acaba é que trazem o prato principal (geralmente carne...só carne). Diferente de nós brasileiros que gostamos de comer arroz com carne juntos. Uma vez pedimos para trazer o 1º e 2º prato juntos e demos um nó na cabeça do garçom: “Como assim?!”. Você vai pagar algo em torno de 40 a 80 pesos por uma comida corrida, dependendo do lugar.
Parece diarréia mas não é! Um prato de comida corrida: carne de cervo ao molho verde de pimenta (ají). Picante mas muito bom!
Restaurante típico de Hacienda: comida típica, saborosa, pesada, picante...
Em Oaxaca existem ótimos restaurantes. Como estávamos em excursão, comemos fora da cidade quase todos os dias, mas os cafés da manhã e janta, sugerimos o restaurante El Sagrario, na rua Alcala, quase chegando na Praça Central.
Restaurante El Sagrario, em Oaxaca. ótima opção para café da manhã, almoço e janta.

Café da manhã, com panquecas, melado e salada de frutas!

           Outro café da manhã, mais pesado, com omelete, feijão e totopos.
 
PIMENTA
As pessoas exageram sobre a pimenta na comida mexicana. Em 20 dias, lembro-me de ter comido três pratos que estavam fortes em pimenta. A verdade é que a comida mexicana é pouco temperada. Quase nem sal tem! A pimenta é servida na mesa, em potinhos individuais. Ou seja, você coloca se quiser. Experimente a pimenta verde, chamada “Aji”. Foi a que mais gostamos. Forte e saborosa. Na segunda semana, já estávamos comendo omelete com pimenta e queijo no café da manhã, sem o menor problema.
           No Mercado Juárez, pode observar todo tipo de pimenta existente!

Na cidade do México, acabamos frequentadores de um restaurante popular próximo ao Zócalo. O restaurante é muito frequentado pelas famílias locais. Servem bem, as moças são muito atenciosas e simpáticas e o cardápio é bem variado! Tem comida corrida e comida a la carte. Servem no almoço e na janta. O restaurante chama-se “O Popular”, e fica na rua 5 de Mayo...
          “O Popular”, saladas, carnes, frango, sopas...para todos os gostos!

Foto: prato de comida corrida com molho verde...