Crianças incas escolhidas para sacrifícios recebiam drogas alucinógenas por uma razão simples

Por: Julio Batista. 21 Maio 2022

Por mais de 500 anos, os restos mumificados de várias crianças pequenas congeladas no alto de um vulcão no sul do Peru mantiveram um registro secreto de seus últimos dias.

Desde a descoberta das múmias na década de 1990, os pesquisadores trabalharam para desvendar o passado das crianças antigas, desvendando uma história chocante que termina em sacrifício humano.

Agora, uma nova descoberta de uma equipe internacional de pesquisadores acrescenta novos detalhes ao seu destino, revelando vestígios de material em seus cabelos e unhas sugestivos de altas doses de uma substância psicodélica.

Tomado em contexto com o conhecimento histórico da antiga cultura inca, é possível – até provável – que as vítimas desafortunadas do que agora é conhecido como ritual de capacocha estivessem intoxicadas com estimulantes, antidepressivos e, às vezes,álcool enquanto conscientemente enfrentavam a morte certa.

Embora seja difícil saber as emoções exatas que as crianças podem ter experimentado, se estavam orgulhosas, tocadas de ansiedade ou confusas e assustadas, os pesquisadores especulam que o uso de alucinógenos pode ter sido usado para aliviar os estados depressivos das crianças.

Os restos mortais no centro deste último estudo estavam entre um pequeno número de múmias descobertas pelo explorador norte-americano Johan Reinhard e pelo arqueólogo peruano José Antonio Chávez em suas expedições ao vulcão Ampato, nos Andes, em 1995.

Somente em 2019 os corpos, juntamente com um terço encontrado no mesmo platô, seriam submetidos a um rigoroso exame bioarqueológico que concluiu que dois provavelmente eram garotos jovens e o terceiro uma garota.

Todos os três, no entanto, tinham apenas 6 ou 7 anos de idade.

Um mostrou sinais de malformação em uma abertura de um dos ossos do pescoço, colocando-o em risco para dores de cabeça, perda súbita de consciência e até cegueira.

Restos semelhantes foram encontrados em vários estados de preservação em todo o que já foi domínio do Império Inca, todos sendo evidências de mortes rituais generalizadas para apaziguar ou apelar a divindades por ajuda e favor.

A maioria parecia ser de famílias ricas, escolhidas como representantes para atuar como emissários. Depois de serem levados a um lugar no alto das montanhas em uma jornada que poderia levar dias, ou até meses, seus fins vieram de várias maneiras. Algumas violentas. Algumas menos traumáticas, tomadas pelo frio extremo.

Sinais de uso de drogas entre os restos mortais foram encontrados anteriormente em um punhado de restos mortais, apontando especificamente para o consumo de folhas de coca e álcool.

As folhas de coca são mastigadas há milhares de anos para reduzir a fome e estimular o sistema nervoso, o que não seria deslocado nem mesmo para crianças que embarcam em uma árdua caminhada pelas montanhas.

Em alguns casos, as crianças foram encontradas com as folhas ainda na boca, com sinais de tê-las consumido com álcool em grandes quantidades nos momentos que antecederam a morte.

No entanto, esta descoberta mais recente de metabólitos associados ao consumo de uma bebida psicodélica feita de ayahuasca (Banisteriopsis caapi) é fortemente sugestiva de um ritual destinado mais a acalmar do que estimular.

Os pesquisadores usaram espectrometria de massa para identificar a presença de alcaloides e metabólitos de coca, bem como harmalina e harmina nas unhas das duas múmias de Ampato.

Harmalina e harmina são formadas a partir de compostos presentes em B. caapi, que normalmente é misturado com outros materiais para criar uma bebida que induz vômito, diarreia e – significativamente – alucinações intensas e vívidas.

Com os testes para encontrar dimetiltriptamina (DMT) que cria alucinações dando negativo, é difícil dizer com confiança se alguma mistura que as crianças consumiram produziu tal efeito, muito menos se foram fortes. Também não havia evidências de consumo de álcool, ou pelo menos foi usado de forma tarda demais para aparecer em seus cabelos e unhas.

Isso deixa em aberto a possibilidade de a ayahusca não ter a intenção de produzir visões fortes, mas simplesmente reduzir sua depressão e ansiedade. 

Juntando fragmentos de evidências observados pelos colonizadores espanhóis ou deixados na arqueologia e combinando-os com artefatos deixados na anatomia e bioquímica de múmias preservadas no frio seco das montanhas, ficamos com uma história arrepiante.

Estimulados e estupefatos, cansados ​​e longe de casa e de seus entes queridos, inúmeras crianças incas estimadas marcharam para a morte, confiando que deixariam o mundo um lugar melhor.

Eles esperaram muito tempo para contar sua história. Finalmente, estamos ouvindo.

Esta pesquisa foi publicada no Journal of Archaeological Science: Reports.

Julio Batista

Sou Julio Batista, de Praia Grande, São Paulo, nascido em Santos. Auxiliar na tradução de artigos científicos para o português brasileiro e colaboro com a divulgação do site e da página no Facebook. Sou formado em História pela Universidade Católica de Santos e em roteiro especializado em Cinema, TV e WebTV e videoclipes pela TecnoPonta. Autodidata e livre pensador, amante das ciências, da filosofia e das artes.

Fonte: Crianças incas escolhidas para sacrifícios recebiam drogas alucinógenas por uma razão simples (universoracionalista.org)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LA LÁPIDA DE PAKAL REPOSA DE NUEVO SOBRE EL SARCÓFAGO

O engenhoso segredo da sobrevivência dos maias

Huyen culebras de recinto Olmeca