sábado, 25 de maio de 2013

Sin resolver la destrucción de la pirámide maya Noh Mul en Belice

Una orden de detención se emitió contra el contratista, que llegó con los bulldozers y excavadoras

Por Anastasia Gubin - La Gran Época

Una excavadora, junto a la pirámide. La empresa Demar’s Contracting Company habría causado la destrucción del sitio arqueológico compuesto de piedra caliza. (I. de Arqueología de Belice)

Después que la comunidad internacional y nacional se alzara condenando la destrucción del sitio Maya de Noh Mul en Belice, continúan aún sin resolver las investigaciones sobre este inexplicable hecho dado a conocer por primera vez  el 10 de mayo por la televisión local. Una orden de detención se emitió contra el contratista, que llegó con los bulldozers y excavadoras para demolerlo y transformarlo en una plana carretera, informó el medio Belize, citando al Canal 7.

El medio Amandala informó ayer que aún no se presentan cargos. Destacó además que la empresa Demar’s Contracting Company que habría causado la destrucción del sitio arqueológico compuesto por piedra caliza, para construir una carretera, es la que usualmente recibe los contratos de reparación de la vías, otorgados por el Gobierno.

El monumento se encuentra en un lugar privado, pero tiene la protección por ser un sitio arqueológico, de acuerdo a las leyes del país.

El Director General en el Ministerio de Turismo y Cultura, Tracy Taegar-Panton, celebró una conferencia de prensa el martes pasado y dijo que la multa que los responsables podrían recibir es de unos 10 mil dólares.

"El Ministerio de Turismo y Cultura, junto con los organismos competentes, ha encargado una investigación a fondo", señala un comunicado conjunto del Gobierno de Belice, el Instituto Nacional de Cultura e Historia y la Junta de Turismo de Belice (BTB).

"Todos los responsables de la destrucción de este sitio deben ser perseguidos con todo el rigor de la ley", dijo a su vez en un comunicado la oficina del representante para la zona de Orange Walk, Gaspar Vega, donde la pirámide Noh Mul fue destruida, informó CNN.

Noh Mul

Noh Mul es un centro ceremonial maya de más de 2000 años de antigüedad, ubicado en la zona de Orange Walk, Corozal de Belice, en las inmediaciones de las localidades San José y San Pablo.

De acuerdo a lo informado por la Comunidad de Belice, Noh Mul puede ser parte de un centro que abarca unos 20 kilómetros de extensión.

El presidente del Departamento de Antropología de la Universidad de Florida Central, Arlen Chase  dijo que “una gran parte de la arqueología se llevó a cabo en Noh Mul en los años 70 y 80, pero esto sólo es muestra de una pequeña parte de un gran centro".

"Los arqueólogos están perturbados cuando ocurren este tipo de cosas”, señaló Chase ante la destrucción, según Belize.

Se cree que el lugar es similar a grupos ceremoniales gemelos que se caracterizan por contener hasta  diez plazas y estar conectadas por un sacbé o calzada en relieve. Esos grupos están rodeadas de otras plazas, templos y por lo menos un juego de pelota maya.
El sitio está construido en un mirador sobre el río Hondo, lo que les permitía controlar las rutas comerciales de la región. Este importante monumento fue investigado por primera vez en 1897 por Thomas Gann, quien regresó a la misma varias veces hasta la década de 1930.
El Dr. Allan Moore, arqueólogo del Instituto de Arqueología manifestó su pesar al medio Belize durante la visita al lugar destruido. "Este es uno de los edificios más grandes de norte de Belice. Me parece terrible”.

“Cuando yo estaba conduciendo desde la carretera principal de San Juan esperaba que no sería éste, pero cuando llegué, no lo podía creer cuando vi todos los camiones. Esta es una increíble destrucción". 

Del Instituto de Arqueología, el Dr. John Morris, también presente, exclamó a Belize, que es “una de las cosas peores que he visto en mis 25 años enteros de Arqueología de Belice. No podemos rescatar lo que ha sucedido aquí. Es una increíble muestra de la ignorancia. Estamos consternados y no sabemos qué decir en este momento en particular". 

En una entrevista de televisión el arqueólogo Jaime Awe declaró que el sitio destruido era “conocido arqueológicamente durante más de cincuenta años. De hecho, en la década de 1980, tuvimos un poco de investigación arqueológica”. 


Belize: Empreiteiro destrói pirâmide milenar para construir estrada

euronews

São mais de dois milénios de história deitados abaixo para a construção de uma estrada. Um empreiteiro precisava de pedra para a execução da infraestrutura e extraiu-a de uma das maiores pirâmides Maias de Belize, na América do sul.


A povoação Maia de Nohmul, local onde o monumento está situado, fica em terreno particular, mas a lei do país prevê a proteção do Estado a qualquer vestígio arqueológico pré-hispânico.
Para os arqueólogos a situação é dramática: “Ter de ver as imagens da destruição em Nohmul é, em muitos aspetos, provavelmente, um dos piores golpes que já senti, filosófica e profissionalmente, o que aconteceu tem tanto de deplorável como de imperdoável”, afirma Jaime Awe, Responsável pelo Instituto de Arqueologia de Belize.

Para as autoridades, o empreiteiro não podia confundir a pirâmide, que se destaca na paisagem, com uma rocha de origem natural. A polícia está a vigiar o local e a investigar o incidente.


Doutorado em Arqueologia: Argentina

Colegas!

Para quem pretende fazer Doutorado em Arqueologia na Argentina, este é o caminho!

Para maiores informações: www.soc.unicen.edu.ar




Inician dos proyectos de investigación y conservación en Chan Chan

Créditos: Ministerio de Cultura

Tienen que ver con la recuperación de estructuras internas de dos de los más importantes conjuntos amurallados de esta zona arqueológica.

El Ministerio de Cultura, a través del Proyecto Especial Complejo Arqueológico Chan Chan, ha iniciado la recuperación de estructuras internas de dos de los más importantes conjuntos amurallados de Chan Chan, cuyas últimas ocupaciones datan de hace más de 500 años. Los trabajos preliminares consisten en habilitación de caminos, registro fotográfico y topográfico.

Las acciones de investigación y conservación que se ejecutarán durante los próximos cuatro meses consideran la recuperación y protección de la Plataforma Funeraria secundaria del conjunto amurallado Tschudi. El proyecto incluye la posterior exhibición del espacio conservado, es decir, el uso social para el disfrute de los visitantes.

Se considera, además, el resane de cerca de 20 metros cuadrados de relieves originales con motivos de ardillas; la protección de 130 metros cuadrados de relieves con réplicas con fibra de vidrio en la audiencia adyacente al segundo patio ceremonial; y la cubierta de 560 metros cuadrados de la plataforma funeraria y los machones de acceso al segundo patio ceremonial de Tschudi con planchas de policarbonato. Las acciones de conservación consideran también el tratamiento de cabeceras en las zonas antes mencionadas.

Igualmente, se intervendrán las dos principales plazas del conjunto amurallado Rivero, las cuales presentan serios daños producidos por el tiempo y la acción negativa del hombre. Este conjunto amurallado también es uno de los más afectados por su cercanía al mar, lo cual ocasiona deterioro de los muros, alta presencia de sales y humedad. El presupuesto para este proyecto supera el millón de nuevos soles.

El director del Proyecto Especial Complejo Arqueológico Chan Chan, Henry Gayoso Paredes, destacó que estos dos proyectos incluirán acciones de inclusión social y sensibilización con la comunidad aledaña. “Es imprescindible ejecutar estas acciones por ser complementarias a la conservación del sitio”, sostuvo.

Para algunos investigadores los recintos que componen Tschudi y Rivero habrían sido planificados y construidos en la etapa media del reino Chimor, aproximadamente hace más de 900 años. En ambos proyecto se Invertirán más de millón y medio de soles en su recuperación. 

Tschudi es el único recinto arqueológico expuesto al turismo; representa menos del 1% de la zona intangible de Chan Chan. El conjunto amurallado de Rivero tiene una característica singular por su doble muralla perimetral, cuya altura promedio supera los nueve metros. Una de las últimas notables ocupaciones fue durante la colonia, el espacio conocido como Corredor Este fue utilizado como caballeriza.


Arqueólogos descobrem esferas metálicas em templo no México

As esferas dispostas no chão de uma câmara subterrânea de Teotihuacán. Foto: Inah / Reprodução

Arqueólogos que estudam o sítio arqueológico mexicano de Teotihuacán descobriram uma grande quantidade de esferas metálicas em uma câmara subterrânea localizada abaixo do Templo de Kukulcán (ou "Serpente Emplumada" na língua maia). A descoberta, anunciada pelo Instituto Nacional  de Antropologia e História (Inah) do México no final de abril, faz parte de um trabalho de investigação das estruturas internas da pirâmide, possibilitado através do uso de um robô.

As esferas encontradas possuem de 4 a 12 centímetros e são a partir de um núcleo de argila envolto em pirita, um mineral que, ao longo do tempo, oxidou e se transformou em jarosita. As pequenas orbes, que estavam em uma das câmaras recentemente descobertas do Tempo de Kukulcán, foram descritas pela equipe arqueológica como um achado inédito. Elas provavelmente eram usadas como uma espécie de oferenda, mas caberá à investigação arqueológica descobrir o significado envolto nestes artefatos.

Visão geral da câmara descoberta pela equipe da Inah. Foto: Inah / Reprodução

A equipe do Inah está adentrando o interior de Kukulcán com a ajuda do Tláloc II-TC, um robô explorador. Com ele, descobriu-se em um túnel subterrâneo a existência de três novas câmaras onde antes de imaginava que houvesse somente uma. "Agora que sabemos que se trata de três câmaras, o passo seguinte é tomar as medidas pertinentes para a remoção dos sedimentos e dos materiais dispostos pelos habitantes de Teotihuacán para bloquear esta última parte do túnel", disse em um comunicado o arqueólogo Sergio Gómez Chávez.


domingo, 12 de maio de 2013

Arqueologia subaquática quer revelar civilizações submersas


foto Mariana Bazo/Reuters
O lago Titicaca, a 4 mil metros de altitude na Cordilheira dos Andes, entre a Bolívia e o Peru, esconde restos de civilizações com mais de 2 mil anos, que um inovador projeto de arqueologia subaquática pretende revelar.

"É o primeiro projeto de escavação subaquática" na Bolívia, disse à EFE o investigador belga Christophe Delaere, diretor do projeto "Huinaimarca", promovido pelo Ministério da Cultura da Bolívia e pela Universidade Livre de Bruxelas (ULB), para investigar inúmeros locais da costa colombiana, especialmente a cultura pré-Inca Tiwanaku, que estão atualmente sob a água.
O projeto, previsto para três anos e desenvolvido em conjunto por especialistas de ambas as instituições, foi lançado em Abril de 2012 com levantamentos geofísicos.
Em fevereiro os primeiros mergulhos permitiram localizar e identificar seis sítios arqueológicos subaquáticos na parte inferior do lago Titicaca, na Bolívia.
Delaere disse à EFE que "há quase 600 quilómetros quadrados de território de cultura Tiwanaku na água" e que estas escavações já permitiram encontrar muros domésticos, estruturas cerimoniais e modelos de terraços agrícolas.
Espera-se que a terceira fase do projeto, que será decisiva para o futuro da investigação, comece em junho e julho, altura em que a equipa pretende usar sofisticadas técnicas arqueológicas subaquáticas, com a ajuda de vinte arqueólogos da Bélgica, Bolívia, Peru, Espanha, França e Itália, a maioria deles mergulhadores científicos especializados em arqueologia subaquática.

Arqueologia: descoberta pode derrubar teorias sobre origem dos maias

Por Matheus Pessel

Pesquisadores investigam escavação no sítio arqueológico de Ceibal, no México. Foto: Takeshi Inomata / Divulgação

Um estudo de universidades dos Estados Unidos e do Japão pode mudar a forma como vemos o nascimento da civilização maia. Segundo Takeshi Inomata, da Universidade do Arizona (EUA), descobertas recentes feitas no sítio arqueológico de Ceibal, no México, indicam que a região foi palco de uma grande mudança cultural entre os anos de 800 a.C. e 1150 a.C.. A pesquisa, apoiada pela National Geographic Society, foi divulgada nesta quinta-feira em artigo da revista especializada Science.
As duas visões dominantes sobre o surgimento dos maias são: que a civilização se desenvolveu independentemente de outros povos em um processo local; que ela surgiu pela influência direta dos olmecas, através do centro de La Venta. "Nossa interpretação é diferente dessas duas; a civilização maia se desenvolveu através de um largo padrão de interação envolvendo o sul da Costa do Golfo, Chiapas e o sul da Costa do Pacífico. Em outras palavras, a interação com outras regiões foi importante (para o desenvolvimento dos maias), mas não foi influenciado por um único lugar (La Venta)", diz ao Terra Inomata.
A grande descoberta dos arqueólogos em Ceibal foi um complexo cerimonial, que era mais antigo em pelo menos 200 anos que um similar de La Venta, ambos de um padrão que é encontrado em outras cidades. "De acordo com a teoria que defende a influência olmeca nos maias, essa disposição padronizada foi inventada pela primeira vez em La Venta e então espalhada pela região maia. Nossos dados da sequência temporal desses complexos refuta a teoria da origem olmeca", diz o pesquisador.
Os povos da Mesoamérica
A descoberta não indica que os maias são anteriores aos olmecas - já que o centro mais antigo conhecido destes é San Lorenzo, que prosperou entre 1400 a.C e 1150 a.C.. "Há um substancial espaço entre as duas potências olmecas: San Lorenzo e La Venta. As contribuições de San Lorenzo às culturas mesoamericanas tardias foram importantes, mas eles não tinham complexos cerimoniais padronizados com pirâmides que vieram a caracterizar depois centros como La Venta, Ceibal, etc. Depois do declínio de San Lorenzo, vários grupos do sul da Mesoamérica, inclusive os moradores de Ceibal, começaram a experimentar com o legado de San Lorenzo e outros grupos antigos; eles selecionaram e adaptaram alguns elementos culturais, modificaram outros, e criaram novas formas de sociedade. Isso foi um tempo de grandes mudanças que formou a fundação das civilizações mesoamericanas tardias. Mas, novamente, essa grande mudança aconteceu através da interação entre vários grupos; não foi espalhada de um centro olmeca."
Inomata explica que a denominação "olmeca" se refere a diversos povos do sul da Costa do Golfo, mas é muito generalista, já que inclui etnias com identidades, inclusive linguísticas, diferentes. "Eu acredito que o juízo de identidades (culturais) compartilhadas em grandes áreas era muito fraco na época. Mais do que impor uma etiqueta categórica como 'olmeca' ou 'maia', nós precisamos analisar como esses grupos interagiam entre si. Nós não temos nem certeza se podemos chamar os residentes de Ceibal de maias, ou até se eles falavam a língua maia."
Em outras palavras, a interação com outras regiões foi importante (para o desenvolvimento dos maias), mas não foi influenciado por um único lugar (La Venta)", diz ao Terra Takeshi Inomata, líder do estudo. Foto: Takeshi Inomata / Divulgação
Os maias
O arqueólogo explica que os centros maias mais ao sul não experimentaram esses novos elementos culturais antes de 800 a.C. ou 700 a.C. - ou até mesmo depois disso. "Então, um ponto-chave é que a mudança cultural e social ocorreu durante interação entre diversos grupos por volta de 1000 a.C.", diz o cientista.
Segundo o pesquisador, enquanto em San Lorenzo a civilização já era mais desenvolvida entre 1400 a 1150 a.C., os povos maias levavam uma vida nômade nas selvas. Contudo, uma mudança drástica ocorreu em um desses povoados por volta de 1000 a.C..
"As pessoas tendem a pensar que quando os primeiros assentamentos sedentários emergiram, eles eram pequenas, simples vilas, e então os complexos cerimoniais formais e etc gradualmente cresceram assim que os assentamentos foram ficando maiores. Ceibal nos conta uma história diferente. O que é interessante sobre Ceibal é que um complexo cerimonial formal estava estabelecido no início dos assentamentos sedentários, por volta de 1000 a.C.. Localizada no sudoeste das terras baixas maias, Ceibal provavelmente se beneficiou da interação próxima com estes povos que ocupavam Chiapas e o sul da Costa do Pacífico e começaram a desenvolver novas formas de arquitetura antes do resto das terras baixas maias."

Maias e Olmecas podem ter sido civilizações irmãs

Autor: Anastasia Gubin

O conhecimento usado para construir as cidades da Bacia do Mirador na Guatemala “é totalmente autóctone, é original maia” e tem um antiguidade de 3 mil anos
O arqueólogo Richard Hansen da Universidade do Estado de Idaho, EUA, nos trabalhos de preservação da Estrutura 34 da cultural maia de Mirador, Guatemala (Global Heritage Fund)
Muito tem sido discutido nesses dias sobre a origem da civilização maia e sua relação com a cultura olmeca. Neste aspecto, o arqueólogo Richard Hansen, diretor do Projeto Mirador, desenvolvido na região norte da Guatemala onde se concentra o maior número de cidades do período pré-clássico, crê que estas duas culturas tenham sido irmãs e que viveram em parte na mesma época, segundo deduzido de datações dos últimos descobrimentos na Bacia do Mirador.

O Dr. Hansen, professor-associado do Instituto Mesoamericano de Investigação do Departamento de Antropologia da Universidade do Estado de Idaho, nos Estados Unidos, e presidente da FARES (Fundação para a Pesquisa Antropológica e Estudos Ambientais), conhece a região maia desce 1968.

Por décadas ele tem trabalhado na região, onde já mapeou 51 cidades maias do imponente período pré-clássico, considerado o berço da civilização maia.
O conhecimento usado para construir estas cidades “é totalmente autóctone, é original maia”, disse Richard Hansen em declaração ao Epoch Times.
“Mas pelo que fizeram, aparentemente, eles tinham conhecimento dos olmecas, porque conceberam (as construções) ao mesmo tempo. Os olmecas foram a cultura-mãe, mas também representam uma cultura irmã”, disse o arqueólogo.
De acordo com as versões acadêmicas da Guatemala, acredita-se que os primeiros povoadores do período pré-clássico maia, desde o leste de Oaxaca até El Salvador, são provenientes dos ancestrais mixes, zoques e popolucas.
Uma teoria diz que eles migraram no ano de 1200 a.C. para o Golfo do México para desenvolver a cultura olmeca. Neste sentido, algumas das datações mais recentes revelam que os olmecas de San Lorenzo no México se desenvolveram nesse lugar há milhares de anos a.C.
Teorias complementares dizem que os descendentes dos olmecas migraram para o Petén na Guatemala e se misturaram com os residentes locais, criando as monumentais cidades da Bacia, como Nakbé de 1000 a.C., cidade escavada pelo Projeto Mirador, destaca um informe da Universidade de San Carlos da Guatemala.
Arqueólogos da Universidade do Arizona estão considerando a opção de que os maias desenvolveram seus primeiros sítios nas selvas da Guatemala e no sul do México e a opção de que a civilização maia foi a fusão de ambas as civilizações da cidade de La Venta. Mas, para os arqueólogos, nenhuma das duas teorias é completa, assinala um comunicado.
“Temos essa ideia da origem da civilização maia e do desenvolvimento indígena e temos outra ideia de que foi uma influência externa que provocou a complexidade social da civilização maia. Pensamos que na realidade não é preto ou branco”, disse Victor Castillo, um estudante de pós-graduação em antropologia pela Universidade do Arizona e coautor de um estudo publicado recentemente sobre Ceibal, outra cidade maia fora da Bacia do Mirador.
O estudo da Universidade do Arizona, assim como o do Dr. Richard Hansen, confirma haver semelhanças entre os sítios maias e olmecas, mas a cultura maia mesoamericana tem características únicas.
As cidades maias da Bacia do Mirador cresceram e se desenvolveram com estradas para manter um corredor comercial que se estendia desde Belize, passava pela Bacia na Guatemala e chegava a Chiapas no México. Segundo o arqueólogo Richard Hansen, possivelmente as 51 cidades maias investigadas da Bacia do Mirador teriam estradas interligadas, com 40 a 50 metros de largura e seis de altura.
No período clássico maia, quase todos os sítios do norte de Petén mostram evidências de conflitos sócio-políticos no século VIII, incluindo Belize e Yucatán, após o abandono das cidades no século IX atingidas pela grande seca que arruinou o império.
No entanto, ao final do período pré-clássico tardio em 150 d.C, as cidades maias do Mirador também sofreram abandono. Postulou-se que a causa foram guerras endêmicas, no entanto, populações agrícolas continuaram subsistindo nas áreas rurais por um tempo até desaparecerem, incapazes de manter qualquer construção permanente.
Estudos do Projeto Mirador revelam que uma grande seca atingiu a região provocando o colapso dos recursos, que se conhece como o colapso pré-clássico de 150 d.C.
Os antropólogos acreditam que na Bacia de Mirador predominava o grande Reino Kan, monarca que também foi identificado num glifo com a cabeça de uma serpente, que centenas de anos mais tarde, no período clássico, também foi identificado como o emblema das terras baixas da Bacia. Sua dinastia iria do período pré-clássico até o declínio da civilização maia.
O Reino Kan dominou a área de Petén durante o período pré-clássico tardio, mas entre os anos 350 a.C. e 150 d.C., a cidade de El Mirador foi abandonada por falta de água e recursos. A devastação causada pelos maias em suas florestas nativas teria provocado a destruição do ecossistema e a consequente seca.
Os maias costumavam queimar madeira verde junto com pedras de calcário para produzirem uma areia e renovarem seus estuques coloridos que decoravam todos seus edifícios imponentes. Além disso, sua produção agrícola era importante. Isso teria levado ao esgotamento das florestas e a consequente morte das espécies de plantas, insetos e animais que geravam vida na região.
Para o Dr. Hansen, não foi o uso da madeira, mas “o abuso” que causou o colapso dos maias.
Por causa do colapso maia, o povo da Bacia mudou-se para a costa do Caribe, segundo o arqueólogo, e mais tarde, no período clássico inicial dos maias, Tikal (fora da Bacia do Mirador) tornou-se a principal cidade.
Neste período, o centro de poder do Reino Kan transladou-se para Dzibanche, em Quintana Roo, México, para mover-se mais tarde para Calakmul, em Campeche, México.
Tikal e Calakmul expandiram seus domínios e então iniciou-se uma luta de poder entre os dois no século VI. Calakmul acabou sendo derrotada duas vezes por uma Tikal fortificada nos anos 695 e 743 d.C. A cultura maia sobreviveu até o final do século IX d.C.