quinta-feira, 23 de março de 2017

Não foi só a Grécia: Arqueólogos descobrem formas democráticas na América pré-colombiana


Um candidato político estava de pé numa praça, nu e se preparando para ser atacado por seus compatriotas, pelos quais havia arriscado recentemente sua vida na guerra ... Este foi apenas o começo do longo processo para se candidatar ao governo da cidade de Tlaxcallan no século XVI.

A cena é descrita por um padre espanhol que visitou a metrópole mesoamericana, que foi fundada em torno do ano de 1250 no território que agora faz parte do México. Um grupo internacional de arqueólogos descobriu nesta cidade antiga algo impensável para os especialistas mesoamericanos: uma república. As informações são da ScienceMag.

O processo para se tornar um representante da cidade na cidade no momento descrito era bem complicado. Se sobrevivesse à cerimônia descrita acima, o candidato entrava em um templo e por lá permanecia por até dois anos, enquanto os sacerdotes lhe ensinavam o código moral e legal. Ele também era torturado com fome, açoitado com chicotes quando dormia e forçado a se cortar em rituais de derramamento de sangue.

Depois de passar todos esses testes, se passasse, ele se tornava um membro da elite local: um dos 100 senadores que tomavam as decisões mais importantes nas decisões militares e econômicas.

De acordo com pesquisa liderada por Lane Fargher e pelo arqueólogo e antropólogo Richard Blanton, Tlaxcallan é uma das sociedades pré-modernas em todo o mundo que, de acordo com arqueólogos, estavam organizados coletivamente; onde os governantes compartilhavam o poder e as pessoas comuns tinham voz nas decisões importantes.

Estas sociedades não eram necessariamente democráticas, no sentido moderno em que os cidadãos votam, mas eram radicalmente diferentes sistemas políticos em que o poder era herdado e autocrático. Arqueólogos dizem que estas "sociedades coletivas" deixaram vestígios em cultura material, como a arquitetura repetitiva, a ênfase no espaço público, a preferência pela produção local em detrimento de bens exóticos e hiatos de riqueza, que foram menos significativas.

Os sistemas coletivos enfatizavam o ofício de governante que, em teoria, poderia ser realizado por qualquer pessoa na sociedade: líderes não nascem, eram construídos. No entanto, "coletivo" não significa "socialista", enfatiza Blanton: sociedades coletivas quase sempre tinham economias de mercado.

A maioria das cidades mesoamericanas estavam centradas em um núcleo de pirâmides monumentais e praças. Em Tlaxcallan, no entanto, as praças estavam espalhadas por todos os bairros, sem centro ou hierarquia clara. Fargher também aponta para uma linhas rochosas no solo arenoso, onde havia paredes de 600 anos atrás. De acordo com o arqueólogo, foi uma série de pequenas casas que foram reconstruídas várias vezes com um pátio: uma casa típica de uma pessoa comum.

"Por um longo tempo, no âmbito da arqueologia estávamos à procura de marcadores de um rei. Agora, há de dar sentido às sociedades sem rei", disse uma dos pesquisadores, Rita Wright.

Fonte: https://br.sputniknews.com/americas/201703177919668-america-pre-colombiana-democracia/

Nenhum comentário:

Postar um comentário