sábado, 7 de março de 2015

Desmistificando o "Mistério" das Esferas de Pedra (Parte 01)

Esfera de pedra in situ sob árvores de cacau

John W. Hoopes, traduzido com sua gentil permissão
Todas as fotos nesta página também são de sua autoria

As esferas de pedra da Costa Rica foram objeto de especulações pseudocientífica desde a publicação de Eram os Deuses Astronautas por Erich von Däniken em 1971.

Mais recentemente, elas ganharam atenção renovada como resultado de livros como Atlantis in America: Navigators of the Ancient World por Ivar Zapp e George Erikson (Adventures Unlimited Press, 1998), e The Atlantis Blueprint: Unlocking the Ancient Mysteries of a Long-Lost Civilization, por Colin Wilson e Rand Flem-Ath (Delacorte Press, 2001). Estes autores apareceram na TV, rádio, revistas, e websites, onde prestam um incrível desserviço ao público ao apresentar enganosamente a si mesmos e o conhecimento atual sobre estes objetos.

Embora alguns destes autores sejam apresentados freqüentemente como tendo “descoberto” estes objetos, o fato é que eles são conhecidos a cientistas desde que vieram primeiro à luz durante atividades agrícolas pela United Fruit Company em 1940 primeiro. Investigação arqueológica das bolas de pedra começou logo depois disso, com a primeira publicação acadêmica sobre elas aparecendo em 1943. Elas dificilmente são uma descoberta nova, tampouco especialmente misteriosas. Na realidade, escavações arqueológicas empreendidas em locais com bolas de pedra nos anos cinqüenta encontraram-nas associadas com cerâmica e outros materiais típicos das culturas Pré-colombianas do sul da Costa Rica sulista. Qualquer “mistério” que exista tem mais a ver com a perda de informação devido à destruição das bolas e seus contextos arqueológicos que com continentes perdidos, astronautas antigos ou viagens transoceânicas.

Foram documentadas centenas de bolas de pedra na Costa Rica, variando em tamanho de alguns centímetros para mais de dois metros em diâmetro. Quase todas elas são feitas de granodiorito, uma pedra dura e ígnea. Estes objetos não são naturais em origem como as esferas de pedra em Jalisco, México, que foram descritas em um artigo de 1965 na National Geographic. Ao invés disso, são esculturas monolíticas feitas por mãos humanas.

As bolas estão em perigo desde o momento de sua descoberta. Muitas foram destruídas, foram dinamitadas por caçadores de tesouro ou rachados e quebradas por atividades agrícolas. Na época de um grande estudo empreendido nos anos cinqüenta, foram registradas cinqüenta bolas como estando in situ. Hoje, conhecem-se apenas algumas como estando em seus locais originais.

Onde as esferas são encontradas?
Elas foram descobertas originalmente no delta do Rio Térraba, também conhecido como o Sierpe, Diquís e Rio General, próximas das cidades de Palmar Sur e Palmar Norte. Bolas são conhecidas de locais tão ao norte como o Vale Estrella e tão ao sul como a boca do rio Coto Colorado. Elas foram achadas perto de Golfito e na Isla del Caño. Desde o tempo de sua descoberta nos anos quarenta, estes objetos foram desejados como ornamentos de jardim. Eles foram transportados, principalmente através de trem, por toda a Costa Rica. Elas são encontradas agora ao longo do país. Há duas esferas à mostra ao público nos EUA. Uma está no museu da National Geographic Society em Washington, D.C. A outra está em um pátio perto do Museu Peabody de Arqueologia e Etnografia, na Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts.

Quão grandes elas são?
As bolas variam em tamanho de apenas alguns centímetros a mais de dois metros em diâmetro. Calculou-se que as maiores pesam mais de 16 toneladas (ca. 15,000 kg).

Do que são feitas?
Quase todas as bolas são feitas de granodiorito, uma pedra dura e ígnea que aflora nas montanhas próximas de Talamanca. Há alguns poucos exemplos feitos de coquina, um material duro semelhante a pedra calcária que é formada de concha e areia em depósitos de praia. Elas foram provavelmente trazidas para o interior da boca do delta de Térraba-Sierpe. (A imagem de fundo para estas páginas é uma fotografia da superfície de uma bola de pedra em Palmar Sur, Costa Rica.)

Quantas deles existem?
Samuel Lothrop registrou um total de aproximadamente 186 bolas para sua publicação de 1963. Porém, estima-se que possa haver várias centenas destes objetos, agora dispersos ao longo da Costa Rica. Relatou-se que um local perto de Jalaca tinha tanto quanto 45 bolas, mas estas foram agora removidas para outros locais.

Como elas foram feitas?
As bolas foram muito provavelmente feitas reduzindo pedregulhos redondos a uma forma esférica através de uma combinação de fratura controlada, entalhamento e lixamento. O granodiorito do qual elas são feitas esfolia em camadas quando sujeito a mudanças rápidas de temperatura. As bolas poderiam ter sido desbastadas pela aplicação de calor (carvão quente) e frio (água fria). Quando estava próximas da forma esférica, eram mais reduzidas entalhando e martelando com pedras feitas do mesmo material duro. Finalmente, elas foram lixadas e polidas até um grande lustre. Este processo, que era semelhante ao usado para fazer machados de pedra polidos e estátuas de pedra, era realizado sem a ajuda de ferramentas de metal, raios laser ou formas de vida alienígenas.

Quem as fez?
As bolas foram provavelmente feitas pelos antepassados dos povos nativos que viviam na região na época da conquista espanhola. Estas pessoas falavam idiomas Chibchan, relacionado a aqueles de povos indígenas de Honduras oriental ao norte da Colômbia. Seus descendentes modernos incluem os Boruca, Téribe e Guaymí. Estas culturas viveram em colônias dispersas, poucas das quais eram maiores que aproximadamente 2000 pessoas. Eles viviam de caça e pesca, assim como agricultura. Eles cultivaram milho, mandioca, feijões, abóbora, palma de pejibaye, mamão, abacaxi, abacate, pimenta, cacau e muitas outras frutas, leguminosas e plantas medicinais. Eles moraram em casas que eram tipicamente redondas em forma, com fundações feitas de remendagens de rio arredondadas.

Qual a idade delas?
Bolas de pedra são conhecidas de locais arqueológicos e estratos enterrados que têm apenas cerâmica característica da cultura Aguas Buenas, cuja data vai de aproximadamente 200 AC a 800 DC. Foram achadas bolas de pedra segundo relatos em enterros com ornamentos de ouro cujo estilo datas pouco depois de 1000DC. Elas também foram encontradas em estratos contendo fragmentos de Policromo Buenos Aires, um tipo de cerâmica do Período Chiriquí que foi feito ao redor do começo de 800DC. Este tipo de cerâmica foi segundo relatos encontrado em associação com ferramentas de ferro do período Colonial, sugerindo que foram fabricadas até o século 16. Assim, as bolas podem ter sido feitas em qualquer tempo durante um período de 1800 anos. As primeiras bolas que foram feitas duraram provavelmente por várias gerações, quando podem ter sido movidas e modificadas.

Para o que foram usadas?
Ninguém sabe ao certo. As bolas deixaram de ser feitas na época dos primeiros exploradores espanhóis, e permaneceram completamente esquecidas até que foram redescobertas nos anos quarenta. Muitas das bolas foram encontradas dispostas em alinhamentos, consistindo em retas e linhas curvas, assim como em triângulos e paralelogramos. Um grupo de quatro bolas foi encontrado organizado em uma linha orientada ao norte magnético. Isto conduziu a especulação de que elas podem ter sido dispostas por pessoas familiares com o uso de bússolas magnéticas, ou alinhamentos astronômicos. Infelizmente, praticamente todos os alinhamentos, com exceção de poucos, foram destruídos quando as bolas foram movidas de seus locais originais, assim medidas feitas quase cinqüenta anos atrás não podem ser conferidas em sua precisão. Muitas das bolas, algumas delas em alinhamentos, foram encontradas em cima de baixos montículos. Isto conduziu a especulação de que podem ter sido mantidas dentro de casas construídas em cima dos montículos, o que teria tornado difícil usá-las para fazer observações. As sugestões de Ivar Zapp de que os alinhamentos eram dispositivos de navegação apontando para a Ilha de Páscoa e Stonehenge são quase certamente erradas. As medidas originais de Lothrop de alinhamentos de bolas com apenas alguns metros de separação não eram precisas ou acuradas o bastante para o controle de erros na conferências de distâncias tão longas. Com a exceção de bolas localizadas na Isla del Caño, a maioria das bolas está também muito longe do mar para ter sido útil a navegantes do oceano.

Por que as bolas estão ameaçadas?
Virtualmente todas as bolas conhecidas foram movidas de seus locais originais, destruindo informação sobre seus contextos arqueológicos e possíveis alinhamentos. Muitas das bolas foram explodidas por caçadores de tesouro locais que acreditaram em fábulas absurdas de que as bolas contêm ouro. Bolas situadas em campos agrícolas foram danificadas por queimadas periódicas que faz a superfície antes lisa das bolas rachar, dividir-se e erodir — um processo que contribuiu para a destruição da maior bola de pedra conhecida. Bolas foram parar em vales e desfiladeiros, ou até mesmo em locais marinhos subaquáticos (como em Isla del Caño). A vasta maioria foi transportada para longe de sua zona de origem, separando-as ainda mais da consciência dos descendentes das pessoas que fizeram estas esferas.

Bolas no jardim do Museu Nacional, São José, Costa Rica

Fonte: http://www.ceticismoaberto.com/fortianismo/2207/acabando-com-o-mistrio-das-esferas-de-pedra (14/08/2009)

Nenhum comentário:

Postar um comentário