sábado, 14 de março de 2015

Desmistificando o "Mistério" das Esferas de Pedra (Parte 02)

John Hoopes com a maior esfera conhecida

Erros e Desinformação
Vários autores contribuíram agora para a desinformação difundida sobre as bolas de pedra da Costa Rica, conduzindo a especulação infundada sobre sua natureza e origem.

O Tamanho das Bolas
Em um artigo em Atlantis Rising Online, George Erikson faz alegações exageradas sobre o tamanho das bolas de pedra, escrevendo que elas “pesam até 30 toneladas e medem até três metros em diâmetro”. De acordo com Samuel Lothrop, autor do mais extenso estudo das esferas, “Uma bola de 6 pés [~1,8m] tem peso estimado de 7,5 toneladas, uma bola de 4 pés [~1,2m] de 3 toneladas e um espécime de 3 pés [~0,9m] de 1,3 toneladas” (1963:22). Lothrop calculou que o peso máximo de uma bola era ao redor de 16 toneladas. A maior bola conhecida mede 2,15 m em diâmetro, o que é substancialmente menor que três metros.

A Precisão Esférica das Bolas
Erikson também declara que estes objetos “eram esferas perfeitas com precisão de 2 milímetros em qualquer medida tanto de seu diâmetro como de sua circunferência.” Esta alegação é falsa. Ninguém jamais mediu uma bola com um grau suficiente de precisão para poder alegar isto. Nem Ivar Zapp nem George Erikson propuseram uma metodologia pela qual tais medidas poderiam ser feitas. Lothrop (1963:17) escreveu: “Para medir a rotundidade nós usamos dois métodos, nenhum completamente satisfatório. Quando as bolas grandes estavam enterradas profundamente no chão, poderia levar vários dias para escavar ao redor delas. Conseqüentemente, nós expusemos apenas a metade superior e então medimos mais dois ou três diâmetros com fita e trena absoluto. Isto revelou que os espécimes mais pobres, normalmente com diâmetros variando entre 2 e 3 pés (0.6-0.9 metros), variavam em diâmetros até uma ou 2 polegadas (2.5-5.1 centímetros). ” Deveria estar claro que este método assumiu que a porção debaixo do chão era esférica.

Lothrop também mediu bolas que estavam mais completamente expostas tomando até cinco circunferências com uma medida de fita, da qual ele calculou os diâmetros delas então. Ele escreve, “Evidentemente, as bolas maiores foram o produto de habilidade melhor, e elas eram tão próximas de perfeitas que as medidas de fita e trena dos diâmetros não revelaram imperfeições. Então, nós medimos circunferências horizontalmente e, se possível, a uma inclinação superior de 45 graus para os quatro pontos cardeais. Nós normalmente não averiguamos a circunferência vertical já que as bolas grandes eram muito pesadas para serem movidas. Este procedimento não era tão fácil quanto soa porque várias pessoas tiveram que segurar a fita e todas as medidas tiveram que ser conferidas. Como a variação em diâmetros era muito pequena para ser descoberto até mesmo através da vista com um trenó absoluto, os diâmetros foram computados matematicamente.” A fonte de alegações para medidas precisas pode originar de más interpretações das tabelas de Lothrop, nas quais ele apresenta os diâmetros calculados em metros a até quatro casas decimais. Porém, estes são estimativas matematicamente calculadas, não medidas diretas. Elas não foram arredondadas para refletir a precisão real com que as medidas reais foram tomadas. Deveria ser óbvio que diferenças “muito pequenas para ser descobertas através da vista” não podem ser tomadas como alegações sobre precisão “dentro de 2 milímetros.” De fato, as superfícies das bolas não são perfeitamente lisas, criando irregularidades que claramente excedem 2 milímetros em altura. Como notado acima, sabe-se que algumas bolas variam mais de 5 cm (50 mm) em diâmetro. Na fotografia da maior bola neste website, está claro que a superfície foi extremamente danificada. É então impossível saber quão precisamente formada esta bola poderia ter sido.

Os Fabricantes das Bolas
George Erikson declara que os “arqueólogos atribuíram as esferas aos índios Chorotega”. Nenhum arqueólogo familiar com a evidência fez alguma vez esta alegação. Os Chorotega eram um grupo falando Oto-Mangueano que ocupou uma área de Guanacaste, perto do Golfo de Nicoya no noroeste da Costa Rica. Os povos que viveram na área onde as bolas são achadas eram falantes de Chibchan. As bolas foram achadas em associação com restos arquitetônicos, como paredes de pedra e pavimentos feitos de remendagens de rio, e recipientes de cerâmica inteiros e quebrados que são consistentes com achados em outros locais associados com as culturas Aguas Buenas e Chiriquí. Acredita-se que estes representam povos nativos ancestrais ao grupo histórico falante de Chibchan do sul da Costa Rica.

A Datação das Bolas
George Erikson e outros insinuaram que as bolas podem ter até 12.000 anos de idade. Não há nenhuma evidência para apoiar esta alegação. Considerando que as bolas não podem ser datadas diretamente através de métodos como datação por radiocarbono, que só pode ser aplicada diretamente a materiais orgânicos, o melhor modo para datá-las é através de contexto estratigráfico e artefatos associados. Lothrop escavou uma bola de pedra que estava situada em uma camada de terra separada de acima de um depósito de fragmentos contendo cerâmica típica da cultura Aguas Buenas (200 AC – 600 DC). No solo imediatamente abaixo desta bola ele encontrou a cabeça quebrada de uma estatueta humana pintada do tipo Buenos Aires Policromo, datado de 1000-1500 DC (exemplos têm, segundo relatos, sido encontrados associado com ferramentas férreas). Isto sugere que a bola foi feita algum dia entre 600 DC e 1500 DC.

As Bolas estão “Fora de Contexto”
Desde sua descoberta em 1940, a vasta maioria destas bolas foi removida de seus contextos arqueológicos para servir como ornamentos de jardim pela Costa Rica. Muitas das bolas estudadas por Lothrop pareciam ter sido roladas de montículos próximos. Várias tinham estado cobertas por camadas de lodo fino, aparentemente de depósitos de inundação e erosão natural. Naturalmente, elas estão “fora de contexto” no sentido de ter poucas associações arqueológicas boas.

Estudiosos as Ignoraram
Não é incomum que autores que escrevem sobre as bolas de pedra afirmem que estes objetos receberam atenção inadequada de estudiosos sérios. Embora isto seja indubitavelmente verdade, não é verdade que estes objetos foram ignorados. Também não é verdade que estudos relativo a elas foram de alguma maneira escondidos do público geral. O primeiro estudo acadêmico das bolas foi empreendido por Doris Stone imediatamente após sua descoberta por trabalhadores para a United Fruit Company.

Os resultados de sua investigação foram publicados em 1943 em American Antiquity, o principal periódico acadêmico de arqueologia nos Estados Unidos. Samuel Lothrop, arqueólogo da equipe do Museu Peabody de Arqueologia e Etnografia na Universidade de Harvard, empreendeu extenso trabalho de campo relativo às bolas em 1948. O relatório final de seu estudo foi publicado em 1963. Contém mapas de locais onde as bolas foram achadas, descrições detalhadas de cerâmica e objetos de metal achados com e perto delas e muitas fotografias, medidas e desenhos das bolas, seus alinhamentos e contextos estratigráficos. Pesquisa adicional sobre as bolas pelo arqueólogo Matthew Stirling foi relatada nas páginas da National Geographic em 1969. No fim dos anos 70, pesquisa arqueológica em Isla del Caño (publicada em 1986) revelou bolas em contextos perto da praia. Foram investigados locais com bolas e relatados nos anos oitenta por Robert Drolet no curso de pesquisas e escavações no Vale de Térraba. NO fim dos anos 80 e começo dos 90, Claude Baudez e seus estudantes na Universidade de Paris voltaram aos locais do trabalho de campo anterior de Lothrop no delta de Diquís para empreender uma análise mais cuidadosa da cerâmica da área, produzindo datas mais refinadas para os contextos das bolas.

Esta pesquisa foi publicada em espanhol em 1993, com um resumo em inglês aparecendo em 1996. Também no começo dos anos 90, o autor [John W. Hoopes] empreendeu trabalho de campo ao redor de Golfito, documentando a existência dos exemplos mais ao leste destas bolas. No momento, Enrico Dal Lago, um estudante na Universidade de Kansas, defendeu sua tese de mestrado no assunto das bolas. O estudo mais cuidadoso das bolas, porém, foi o trabalho de campo empreendido de 1990-1995 pela arqueóloga Ifigenia Quintanilla sob o patrocínio do Museu Nacional da Costa Rica. Ela pôde escavar várias bolas in situ, documentando o processo de sua construção e suas associações culturais. A pesquisa de Quintanilla foi o estudo de campo mais completo destes objetos desde Lothrop. Enquanto ainda principalmente inédito, a informação que ela coletou é atualmente tema da sua pesquisa de graduação na Universidade de Barcelona. Até mesmo com a pesquisa atual pendente, a lista de referências neste website torna claro que as bolas de pedra receberam muita atenção séria, acadêmica.

Fonte: http://www.ceticismoaberto.com/fortianismo/2207/acabando-com-o-mistrio-das-esferas-de-pedra (14/08/2009)

Nenhum comentário:

Postar um comentário