domingo, 6 de novembro de 2011

Fim do mundo previsto pelos maias é um erro de interpretação

Getty Images
Exposição colombiana explica que fim do calendário seria apenas mudança de era, o que não significa o surgimento de catástrofes.

O prognóstico maia do fim do mundo foi um erro histórico de interpretação, segundo revela o conteúdo da exposição "A Sociedade e o Tempo Maia" inaugurada recentemente no Museu do Ouro de Bogotá.

O arqueólogo do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH) e um dos curadores da mostra, Orlando Casares, explicou que a base da medição do tempo desta antiga cultura era a observação dos astros.

Eles se baseavam, por exemplo, nos movimentos cíclicos do sol, da lua e de Vênus, e assim mediam suas eras, que tinham um princípio e um final.

"Para os maias não existia a concepção do fim do mundo, por sua visão cíclica", explicou Casares, que esclareceu: "A era conta com 5.125 dias, quando esta acaba, começa outra nova, o que não significa que irão acontecer catástrofes; só os fatos cotidianos, que podem ser bons ou maus, voltam a se repetir".

Para não deixar dúvidas, a exposição do Museu do Ouro explica o elaborado sistema de medição temporal desta civilização.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/fim-do-mundo-previsto-pelos-maias-e-um-erro-de-interpretacao/n1597345924543.html (31/10/2011)

Nenhum comentário:

Postar um comentário