Os Incas usaram dois sistemas de medição para construir Machu Picchu

Por ZAP

09/11/2020

Um dos sistemas de medição era baseado no comprimento do antebraço dos incas. A origem do outro sistema permanece um mistério para os investigadores.

Os incas usaram dois sistemas de medição diferentes para construir o Macchu Picchu, concluiu a investigadora Anna Kubicka, da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Ciência e Tecnologia de Varsóvia, na Polónia. A especialista analisou medições feitas pelo Parque Arqueológico Nacional de Machu Picchu, no Peru.

Até agora, a comunidade científica não tinha muita informação sobre o sistema de medição utilizado pelos incas. Sabia-se apenas que eram medidas baseadas em partes do corpo humano, mas não se conheciam valores concretos.

Kubicka calculou uma unidade indivisível de medida que, quando multiplicada, correspondia ao comprimento dos diferentes elementos das estruturas de Machu Picchu, escreve o portal Archaeology.

Assim, a arquiteta polaca determinou que foram usados dois sistemas de medição: um de cerca de 42 centímetros e outro de cerca de 54 centímetros. O primeiro correspondia ao comprimento do antebraço, enquanto a origem do segundo é desconhecida e não deverá estar relacionado com nenhuma parte do corpo. Kubicka chama-lhe de ‘vara real’, porque a unidade foi usada para medir estruturas de um nível superior.

Essas estruturas podem ter sido construídas sob a supervisão de engenheiros imperiais que tinham o seu próprio sistema de medição, explicou Kubicka.

Agora, futura investigação vai tratar de verificar se estes sistemas de medição foram utilizados noutras construções inca ou se foram mudando ao longo do tempo. Talvez, juntamente com as tecnologias de processamento de pedra emprestadas pela cultura Tiwanaku, um sistema comum de medidas tenha sido adotado.

Fonte: https://zap.aeiou.pt/incas-sistemas-medicao-machu-picchu-357592

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Restos arqueológicos hallados en Guayaquil

LA LÁPIDA DE PAKAL REPOSA DE NUEVO SOBRE EL SARCÓFAGO

La diosa Maya de la luna: hermosa, poderosa y brutalmente vingativa