quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

El Dorado - Em busca dos antigos mistérios Amazônicos (Parte 1)







Texto de Dalton Delfini Maziero

Em entrevista exclusiva, o pesquisador e artista Roland Stevenson nos revela fatos surpreendentes sobre o mito do El Dorado. A descoberta de uma estrada inca em plena floresta brasileira, o saque sistemático de estrangeiros ao nosso patrimônio cultural e a comprovação da existência do lendário lago Parime, são apenas algumas das polêmicas desta matéria. Seria o ouro inca, proveniente do Brasil? Seria o El Dorado, mais do que uma lenda?

1) Sua nacionalidade é chilena. O que o motivou a mudar-se para o Brasil, em especial o Amazônas?

Desde pequeno, aos 10 anos de idade, tive a sorte de ser influenciado por colegas de bairro que praticavam excursionismo, e a poucos quilômetros de nossa casa em Santiago, eleva-se a Cordilheira dos Andes. Não obstante, no Chile faz muito frio, e não faltou ocasião em que perdido na neve das montanhas, sonhei com um clima tropical.

2) Como foi seu primeiro contato com o mito do El Dorado?

Foi um impacto incrível quando me deparei com os índios yanomani em 1979, observando que alguns deles possuíam rostos semelhantes aos quêchuas do Peru. Então me assaltou a idéia de que talvez a lenda do El Dorado tivesse fundamento histórico, e os yanomani alguma relação apesar dos 1400 km de distância do Império Inca.

3) Você alega que o lendário Lago Parime, que margeava o El Dorado e aparece nos mapas dos séculos XVI e XVII, existiu realmente. Essa tese já foi aceita pelos geólogos?

Sim, está absolutamente comprovado. Três geólogos brasileiros não tem a menor dúvida da sedimentação lacustre do solo do lavrado (planície). A área esteve submersa desde que a ruptura Graben do Tacutú se comunicava com o Atlântico, tendo começado a se extinguir por volta de uns 700 anos atrás, provocado por um processo chamado epirogénese positivo, de elevação constante da superfície. Os nomes desses geólogos são Gert Woeltje do DNPM (Departamento Nacional de Pesquisas Minerais) do AM; Frederico Guimarães Cruz da SEMACT (Secretaria Especial do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia) de Presidente Figueiredo, AM; e Salomão Cruz, hoje Deputado Federal em Brasília, DF.

4) Parece existir uma confusão histórica entre o lago Parime e o Guatavita, na Colômbia. Você poderia esclarecer isso?

Sim, existe uma grande confusão, e a culpa disso é dos historiadores do Brasil, que não se interessam em renovar seus dados, mantendo informações dos séculos passados, quando havia poucos conhecimentos técnicos e geográficos. O primeiro explorador a mencionar um lago como referência ao El Dorado, foi Gonzalo Pizarro, que empreendeu em 1541 a famosa expedição a sua procura, disfarçado pelo interesse da especiaria da canela. Do contrário não haveria colaboração dos indígenas. Nenhum dos outros aventureiros como Quesada, Benalcazar ou Federman, falaram do lago na época. Contudo, entre 1538/39 solidificou-se na Colômbia a existência de um grande caminho que penetrava na imensidão da floresta amazônica, direcionada para o leste dos Andes, o qual situava-se a 600 km de Bogotá, exatamente no limite entre Equador e Colômbia. É possível que a informação do lago foi arrancada sob tortura ao coletor de ouro do norte (Equador), de nome Rumunháui, quem confessaria que a 70 dias de viagem por aquele caminho...e devemos lembrar que os incas andavam 20 km por dia..., isto é 1400 km até as serras do Pico da Neblina no Brasil, onde achariam o início das fontes auríferas dessa civilização, embora o ponto principal estaria junto ao grande lago de Roraima. Oficialmente, foi divulgado que Ruminháui morrera sem confessar a localização, fato compreensivo pelo excesso de concorrentes sedentos de ouro. Gonzalo Pizarro fracassou no intento de alcançar as fontes auríferas, mas conseguiu avançar 900 km, chegando até a Bacia de Uaupés no Brasil, segundo contam as lendas indígenas. Da mesma forma, seu patrício Francisco de Orellana (1542) tentava descobri-la por via fluvial. Passaram-se 28 anos de silêncio e desânimo ante tanta dificuldade, até que em 1570 surgiram novas informações de sua localização, desta vez provenientes de índios aruak, que orientavam o governador de Marguerita, no Caribe. Diziam que depois das nascentes do rio Orenoco, no outro lado das serras (Pacaraima) existia um enorme lago rodeado de montanhas riquíssimas em ouro e pedras preciosas. Iniciava-se assim, uma nova corrida em busca desse sítio fabuloso, que pelas novas indicações situava-se no Brasil. Para infortúnio dos exploradores, o referido lago jamais foi visto, embora agora sabemos que apesar de passarem até por cima dele, nunca o detectaram, achando somente as planícies secas do seu leito, hoje transformado em campos de pastagens. O primeiro a confundir essa história foi Alexandre Von Humboldt em 1800, que após longa expedição pelo rio Orenoco na Venezuela, foi impedido de entrar no Brasil, e num desabafo pelo bloqueio, escreveu que o lago citado por Hariot e Hondius eram apenas uma ilusão. Depois, na Colômbia, decidiu que o pequeno lago Guatavita, devido a lenda do "Homem Dourado" que se banhava coberto em pó de ouro, seria o pivô da história. Sem saber que a região carece completamente de potencial aurífero, comparado a Roraima que está entre as maiores do mundo.

5) Além do lago Parime, você encontrou indícios de um antigo caminho pré-colombiano na região do Amazônas. Como foi essa descoberta?

Em 1977 comecei as pesquisas no Alto Rio Negro, onde fomos em busca das fortificações de pedras a que alguns escritores se referiam, a exemplo de Barbosa Rodrigues. Conseguimos localizá-las através de guias indígenas. Tratava-se de restos de muros de pedras que os nativos brasileiros não costumam utilizar, tornando-se para nós um grande mistério, pois seus vestígios achavam-se invariavelmente a cada 20 km, situados paralelamente à linha equatorial, cerca de uns 60 km. O enigma começou a se desvendar quando achamos próximo de uma delas o petroglifo de uma lhama, animal de carga dos povos andinos. Ao estudar as características deste camelídeo, reparamos que ele caminha somente 20 km por dia, negando-se a continuar além disso. Então, as fortificações eram pousadas de descanso dos viajantes, dispostas em função do rendimento das lhamas. Tratava-se evidentemente de um caminho extinto, apagado pela floresta, exceto os Tambos como chamam as pousadas no Peru. Em contato com diversas tribos da Bacia do Uaupés, ouvimos as lendas a respeito deste caminho, contada pelos velhos de boca em boca através das gerações. Curiosamente todos os grupos indígenas coincidiam com a mesma narrativa, especialmente entre os Dessana, Pirá-tapuya e Tukano, chamando-a de Nhamíni-wi. Explicavam ser um grande caminho que alcançava as montanhas dos Andes, ou a "casa da noite", onde obscurece o sol. Por ele transitavam numerosos "soldados", carregando pesadíssimas caixas contendo "insetos de ouro". Tais caixas não podiam ser abertas porque eram oferendas para que o sol não apagasse. Mas os índios desobedeceram abrindo-as, e o sol se apagou durante vários dias. Toda essa história parece-nos a lembrança do último capítulo da existência do caminho, quando os espanhóis invadiram o Peru, exigindo o resgate de Atahualpa, representante do Sol. O carregamento de ouro transportado por Ruminháui não chegou ao destino justamente pelo assassinato de Atahualpa. Os insetos de ouro referidos na lenda, seriam simplesmente peças confeccionadas pelos ourives da época, que copiavam a natureza, como borboletas, besouros, aranhas, pássaros, macaquinhos, etc.
O destino do grande caminho para o ocidente nos Andes, já estava resolvido, mas qual era sua origem? De onde vinha procedente do leste? Os tukanos explicavam que ele iniciava-se no "lago branco", ou "lago de leite", axpekõ-dixtara, na língua deles.


6) Foi localizada alguma peça pré-colombiana que ajude a comprovar suas teses?

Creio que as principais peças encontradas que reforçam essa tese, são quatro armas incaicas, achadas em áreas de garimpo de Roraima, consistindo em pedras de 8 pontas e uma de 6, com um buraco no centro para colocar um cabo, afim de quebrar a cabeça do inimigo. Trata-se da borduna mais usual da civilização inca. Este achado muda a história da América, pois até agora foi um mistério a origem do ouro saqueado pelos espanhóis em 1532, no Peru. Apoderaram-se de 6 toneladas de peças auríferas só em Cajamarca e mais do dobro em Cusco. Na época não existiam minas significativas que justificassem tanto ouro no Peru. Inclusive esse foi um dos motivos que fez surgir a lenda do El Dorado.

Continua...

2 comentários:

  1. Paititi Rondônia Brasil
    A historia de Paititi esta ligada ao Reino Gram Moxos( Civilização hidráulica dos Llanos dos Moxos ) Todos os documentos coloniais, ou pelo menos aqueles que dizem respeito mais especificamente à Paititi, digamos, localizada a cerca de 200 léguas de Cusco (cerca de 1.100 km a leste), Supondo que Paititi não foi uma criação da mente, R. Levillier, reiterou, em mais de uma ocasião que a massa de ouro só foi fábula, e que todas as escritas, deixadas pelos conquistadores, missionários, soldados e aventureiros durante o processo de conquista e colonização, digamos a Serra dos Parecis (agora território de Rondônia, Mato Grosso, no Brasil) como o lugar onde os incas esconderam no passado. Mesmo possível identificar sua localização, quando ele escreve: Segundo historiador argentino Robert Levillier . Rondônia foi outrora o Grande Reino de Paitti,deu ate as Coordenadas "As províncias de Paititi estendia da proximidade do Rio Madeira, até 11 graus de latitude sul e 64 graus de longitude oeste, continua voltando para as cabeceiras do Rio Paraguai, em 13 º de latitude Sul e 57 º de longitude oeste. Este mapa que georreferencie os rios (Mapa guardado em um convento de Cusco Peru, de autoria de Garcilaso de la Vega feito em +- 1595,da para interpretar que os espanhois ja conheciam esta região
    Mais detalhes em meu Blog http://eldorado-paititi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. cabezas alargados


    Joaquim: Eu realmente gosto do seu blog como uma província denúncia verdadeiramente importantes para o Império terceiro ou a cultura perdida da América, e está lentamente a aceitar a ciência como o berço da região da cabeça, selvagem apartamento (para proteger as pequenas seres) eram a tribo dominante do Império e preconceitos vários foram encontrados na região que você está estudando, nós sinceramente desejo muito sucesso em sua tarefa, pode passar no seu blog você precisa ter o meu site e não se esqueça de que o Império ou GuaOmegua, Paititi ou Dorado são a mesma coisa e se espalhou pela América do Sul, a dissidência os passos dos Incas em sua área, Gua cultura que existia antes dos incas eram algo no pré-mundo colombiana e se há alguma influência entre as culturas, foi levado pela corrente do calentano.
    Sua floresta foi o berço de uma cultura que se espalhou sua civilização para as Américas, incluindo o Nazca América do Sul, os maias na América Central, América do Norte e dos povos que habitaram a Apalaches eo Mississipi, eu acredito que a chegada do Maya espanhol voltou para sua terra natal (América do Sul) para escapar do clima devastação que viveu em cerca de 800 de Cristo, como aconteceu com as tribos do litoral do Peru e do Equador, que havia penetrado suas florestas de origem mais ou menos ao mesmo tempo Arqueóloga Abraço Gilda Mora
    http://eldorado-paititi.blogspot.com

    ResponderExcluir