segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

El Dorado - Em busca dos antigos mistérios Amazônicos (Parte 3)





Texto de Dalton Delfini Maziero

Em entrevista exclusiva, o pesquisador e artista Roland Stevenson nos revela fatos surpreendentes sobre o mito do El Dorado. A descoberta de uma estrada inca em plena floresta brasileira, o saque sistemático de estrangeiros ao nosso patrimônio cultural e a comprovação da existência do lendário lago Parime, são apenas algumas das polêmicas desta matéria. Seria o ouro inca, proveniente do Brasil? Seria o El Dorado, mais do que uma lenda?

Continuação...

13) Além de sua equipe, existe alguma outra interessada na região, seja ela nacional
ou não?

Não existe equipes interessadas, exceto pessoas independentes que leram meu livro, assim vieram me acompanhar nas expedições dois norte-americanos, um alemão, um canadense, dois italianos, um espanhol e uma equipe de TV chilena, todos com profissões diferentes, desde cineastas até aventureiros. Ano passado houve muito interesse da Discovery Channel sediada na Flórida, porém o propósito "murchou", provavelmente porque devem ter pedido informações a Royal Geographic Society, que são os patronos internacionais da Discovery.
Em 1994 veio a TV nacional do Chile, do programa "El Mirador", em função da publicação do jornal Folha de São Paulo (27/05/93) que lançou uma reportagem de um louco chileno...eu...que procurava o El Dorado na Amazônia, frisando que a comunidade científica de Manaus (o INPA), ironizava meu trabalho. Assim, a TV chilena veio correndo a filmar seu patrício que buscava o "sonho do El Dorado". No começo fiquei animado porque seria a oportunidade de mostrar fundamento histórico no assunto. Mas foi grande a minha decepção ao ver que eles desejavam mesmo o SONHO, negando-se a filmar qualquer prova que representasse a realidade. Assim, descartaram as marcas d'água do lago nas serras, como também as centenas de petroglifos da ilha Maracá. Por minha insistência, entrevistaram o geólogo Salomão Cruz em Boa Vista, que deu numerosos argumentos científicos sobre a existência do lago, mas isso tudo foi eliminado.
Outra tentativa de filmar os vestígios do lago foi com a TV Amazônas Canal 5, em 1993. Consegui convencer de sua realidade ao diretor Sr. Felipe Daou. Porém quando chegamos na área, o câmera da equipe se negou a filmar alegando que aquilo não prestava para TV, revelando todo o preconceito que existia sobre mim. Para piorar a situação, a malária estava manifestando-se no meu organismo. Fiquei sem ânimo para discutir. Portanto, perdemos a viagem, as despesas com hotel, etc...e o que foi pior, fiquei desprestigiado perante o diretor da TV. Estava "confirmado" que eu "sonhava".


14) Quais as principais dificuldades que tem encontrado para a realização de suas expedições?

O preconceito e a falta de dinheiro. Felizmente sou um bom pintor, e os lucros tenho investido em pesquisas. Assim, durante 20 anos financiei minhas próprias expedições. Nunca procurei patrocínio, pois quem iria financiar a busca de uma "fantasia"? Porém, com as dificuldades econômicas que o país está passando, já não posso mais me dar ao luxo de pagar viagens, de modo que esta última expedição de fevereiro foi financiada por um norte-americano, e a anterior por dois italianos e um canadense.

15) Isso vem de encontro a minha próxima pergunta. Você é um excelente pintor, então suas obras ajudam de certa forma seu trabalho de pesquisa...

Sim! A arte tem me ajudado enormemente nas pesquisas. Sem ela jamais teria feito essas descobertas. Tudo começou com os yanomami, quando desenhava centenas de rostos, reparando que os antropólogos estavam errados ao defini-los como uma raça única, geneticamente "pura", em circunstâncias que possuem quatro tipos humanos diferentes e integrados em épocas distintas, se estudarmos os protótipos que colonizaram a América. A verdade é que a análise anatômica das feições indígenas é um campo inexplorado pela antropologia, pois a classificação dos grupos tribais no Brasil baseia-se na glotologia (língua). Porém os silvícolas são nômades e adotam as línguas alheias da região onde se mudam, alguns até várias vezes como aconteceu com os baníwas do rio Içana. Outro método de distinção é a cultura, material ou espiritual, mas estas, do mesmo modo que a língua, podem ser adotadas, impostas ou perdidas. A terceira fórmula é a mais perfeita, que consiste nos teste de DNA, porém nada é infalível, pois para ser satisfatória é necessário testar em laboratório milhares de indivíduos e ainda podem orientar errado se trata-se de migrações onde não nasceram.

16) Em 1994, você publicou o livro "Uma Luz nos Mistérios Amazônicos", atualmente esgotado. Fale-nos mais sobre esse trabalho.

O livro foi o prêmio de publicação no concurso de História da SUFRAMA (Superintendência da Zona Franca de Manaus), ganho em 1988. Porém, pensando na posteridade, é bom que se conheça a verdade, pois a comissão julgadora me deu o segundo lugar inicialmente, porque a obra fugia da temática histórica, incluindo geologia e antropologia. Mas pergunto, como ia explicar a existência do lago sem os dados geológicos? Ou como ia esclarecer a origem dos nativos amazônicos sem informações étnicas? O leitor precisa saber que todos os aventureiros, pesquisadores, cronistas, etc, que escreveram sobre o Amazônas, basearam-se numa rápida expedição de dias, semanas ou meses, falando muito e estudando pouco. Assim, nossas investigações com mais de 20 anos, devem estar bem perto da verdade.

17) Em 1997, você fundou o "Parime Expedition - Centro de Pesquisas Etno-históricas". Quais os objetivos dessa instituição?

A "Parime Expedition" ficou parada quando percebi que a instituição viraria um órgão turístico, que não é a modalidade que me interessa. Para essa finalidade, um dos norte-americanos que me acompanhou na última expedição, Mark DeMaraville, que trabalha com turismo, começará a trazer na próxima temporada, pacotes turísticos para grupos que desejem conhecer onde ficava o lendário lago do El Dorado. Assim, os norte-americanos ficarão conhecendo a realidade histórica antes que os brasileiros, lamentavelmente. O mesmo acontecerá com a segunda edição do meu livro, pois recentemente tenho visitado numerosas empresas e todas se manifestaram impossibilitadas de patrocinar uma nova impressão, exceto se fosse sobre o "Boi Bumbá", que aliás já fizeram na minha frente duas grandes obras. Não nego a beleza das festas, mas não houve um critério que preservasse a cultura original indígena.
O norte-americano DeMaraville...que também é bibliotecário de Massachusett... opinou que nosso livro "Uma Luz nos Mistérios Amazônicos" é a melhor obra já feita no mundo sobre o El Dorado. Respeito muito sua opinião como bibliotecário, mas só posso lamentar que não vai ser impresso no Brasil.


18) Uma última pergunta. Você foi um dos precursores no Brasil, da técnica de investigação conhecida como 'morfologia somática". Do que consiste essa técnica?

Pratico desenho da figura humana desde que tinha 4 anos de idade, portanto fazem 63 anos, e comecei profissionalmente quando tinha 12, em 1947, fazendo rostos publicitários para a Fonck Propaganda no Chile. O que desejo transmitir é que uma vida inteira retratando feições, me possibilitam enxergar coisas que uma mente comum é incapaz de ver. Por exemplo, numa caveira, detecto toda a anatomia superficial. Do mesmo modo, o rosto de um indígena me conta todo seu passado, as miscigenações, os climas onde morou, as migrações, etc. Se isso for aliado ao estudo dos povos que habitaram o planeta, resulta fácil entender suas ligações.
Quando há mais de 20 anos comecei minhas pesquisas antropológicas, detectei logo que os primeiros colonizadores da América eram negros, assunto que foi tomado como um disparate. Recentemente, os arqueólogos de São Paulo admitem agora como se fosse descoberto por eles. Minha tese dos paleoíndios serem negróides foi apresentada publicamente no concurso de História da SUFRAMA em 1988.
Muitas pessoas me perguntam porque não tiro um diploma como antropólogo, mas a minha formação vai além disso, não posso recuar numa qualificação superada. Não existe diploma para 60 anos de prática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário