sábado, 10 de julho de 2010

Astecas e maias faziam bolas misturando látex a extrato de planta

Mesoamericanos sabiam dosar componentes para garantir elasticidade.
Dependendo da proporção, produziam sandálias, faixas ou bolas.


Do ‘New York Times’

Os mesoamericanos eram grandes consumidores de borracha, segundo registros históricos e arqueológicos. Com ela, eles produziam sandálias, faixas de borracha e também bolas, que eram usadas para os jogos cerimoniais em pátios de paredes de pedra.

Cada um desses itens requer diferentes qualidades da borracha. Uma bola requer elasticidade para quicar, uma faixa de borracha requer força, e uma sandália precisa de durabilidade e resistência.

Um novo estudo relata que os mesoamericanos, que incluem os astecas e os maias, sabiam como produzir diferentes tipos de borracha, misturando o látex de seringueiras com um extrato da planta glória-da-manhã (Ipomoea purpurea), em diferentes proporções.

“É uma aposta bem segura a de que eles estavam desenvolvendo materiais para suprir suas necessidades”, diz Michael Tarkanian, principal autor do estudo e cientista de materiais do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). “Não era apenas uma mistura aleatória.”

Tarkanian e a coautora da pesquisa, Dorothy Hosler, também do MIT, conduziram experimentos com amostras de látex e extrato da I. purpurea, obtendo três tipos de borracha com diferentes misturas.

O quique da bola é maximizado quando o extrato representa 50% da mistura, enquanto a durabilidade e longevidade são maximizadas com a mistura a 25%. Para assegurar força, necessária para uma tira, não se adiciona extrato nenhum.

Os registros mais antigos indicam que os mesoamericanos usavam a borracha por volta de 1.600 a.C. Milhares de anos depois, em 1839, Charles Goodyear descobriu a vulcanização, o processo usado para produzir borracha até hoje.

A pesquisa será publicada na revista “Latin American Antiquity”.

Fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/ (25/06/2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário