Tráfico de antiguidades cresce em América Central e México

(AFP)

SAN JOSÉ, Costa Rica — Os traficantes de antiguidades agem cada vez mais em sítios arqueológicos na América Central e no México, denunciou o Conselho Internacional de Museus (ICOM, sigla em inglês).

A ONG divulgou uma Lista Vermelha de Bens Culturais em Perigo na América Central e no México, que inclui peças arqueológicas de ouro, jade, osso, cerâmica e pedra, além de pinturas em tela.

A publicação dessa lista tem como objetivo evitar a comercialização das raridades.
O roubo geralmente acontece em museus e igrejas, que possuem peças das eras pré-colombiana, colonial e republicana, informou nesta terça-feira a imprensa da Costa Rica.

"O tráfico de bens culturais de civilizações pré-colombianas do México e da América Central aumentou, mas ainda não temos informações estatísticas sólidas para medir o tamanho do problema", lamenta a representante do ICOM no país, Marine Mayer.

"O tráfico já acontece há muitos anos, mas com a globalização há uma demanda maior por essas peças no exterior", explica.

Estados Unidos e Europa são os maiores mercados de peças arqueológicas, precisou a especialista, que pede às autoridades dos diferentes países que troquem informações sobre os objetos, que podem ter até 1400 anos.

Fonte: www.google.com/hostednews/ (29/06/2010)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARAL: LO QUE REVELA EL HALLAZGO ARQUEOLÓGICO PERUANO DEL 2016

Estudio revela cuál fue causante de muerte de aztecas en México

Descubren en Guatemala rastros de un primer colapso en la civilización Maya