terça-feira, 20 de julho de 2010

Objetos de Arte – Máscara funerária (séculos IX ao XI)

A cultura Lambaieque, também chamada Sicán, cobre um período extremamente rico no Vale La Leche, costa norte do Peru, que vai de 700 a 1300 d.C. Surgiu depois da cultura Moche e do esplendor do império Chimú. É uma civilização pré-incaica.

Os historiadores dividiram esse período em três partes: primitivo de 759 a 900 d. C; médio de 900 a 1100 d.C. e o final, que foi até 1300 d.C. As ruínas do período mais antigo mostram que os Sicán negociavam com povos do Equador (conchas e caramujos), da Colômbia (esmeraldas e âmbar), do Chile (pedra azul) e extraiam ouro da bacia do rio Marañon, a leste.

Por volta de 800 d.C. eles fundaram a cidade de Puma, localizada em Batan Grande, no Vale La Leche. Foi dos raros sítios Sicán descobertos.

Os artesãos Sicán eram muito habilidosos. A cerâmica negra e muito polida tanto servia para atender às necessidades básicas, como para motivos políticos e religiosos. Vasilhames especiais para guardar mantimentos, panelas e potes para cozinhar alimentos, ornamento para as casas, os pátios e imagens para os templos.
Os fornos para argila eram os mesmos usados para outra especialidade Sicán: a metalurgia. Na verdade, as peças em metal são dos maiores legados desse povo. As tumbas mostram a divisão de classes: algumas cheias de objetos em metal comum, outras só com peças em cerâmica e outras tantas com muito ouro e cerâmica.

Os Lambaieque se tornaram uma poderosa dinastia entre os séculos IX e XI e acumularam enormes quantidades de ouro. Construtores dos grandes complexos funerários de Batan Grande, em Puma, os senhores de Sicán eram colecionadores compulsivos de objetos em ouro, nos quais faziam questão que gravar a efígie do lendário fundador da dinastia. Eram enterrados com seus pertences em ouro.

As mascaras mortuárias variavam em espessura e nos desenhos. A que mostramos hoje é pintada e ainda se pode ver restos de tinta amarela, azul, preta e laranja. Usavam também penas para dar mais colorido aos mortos. Os olhos das diversas máscaras são muito diferentes o que sugere que havia uma tentativa de fazer com que se assemelhassem ao morto: nessa os espetos sugerem talvez um olhar penetrante... Os pendentes laterais também variavam muito em forma e cor, o que devia ter algum significado.

Ouro e cinabre, mede 29,2cm.
Acervo: Metropolitan Museum of Art, NYC.
Fontes: www.metmuseum.org/

Fonte: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010 (24/06/2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário