Cartilha para preservar sítio arqueológico no Agreste será lançada este sábado


Cleide Alves (Especial para o Jornal do Commercio PE/Online)

Dissertações de mestrado geralmente ficam restritas ao mundo acadêmico. Mas sempre há exceções e um exemplo é o lançamento da cartilha Educação Patrimonial em Bom Jardim: Preservação da história de um povo, do professor Severino Ribeiro da Silva, às 15h deste sábado (29), Livraria Saraiva do Shopping Center Recife, em Boa Viagem, no Recife. A publicação é um produto do trabalho que ele defenderá no próximo mês no Programa de Pós-Graduação em Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Com tiragem de dois mil exemplares, a cartilha tem 32 páginas em formato de quadrinho e será distribuída para 14 escolas do município de Bom Jardim, no Agreste do Estado, distante 114,8 quilômetros do Recife. Uma parte será comercializada em livrarias. “Todos os personagens, histórias e problemas relatados na publicação são reais. O objetivo é garantir a preservação dos sítios arqueológicos do município”, diz o professor.

A cartilha é focada em Bom Jardim, mas a mensagem se aplica a qualquer localidade onde exista sítios com vestígios arqueológicos (cacos de objetos ou marcas de alguma atividade deixadas pelo homem, como vasilhames de cerâmicas e fogueiras). Destruir essa herança, ensina a publicação, “tem o mesmo efeito de apagar de nossa memória uma parte de nossa história vida.” Os desenhos são intercalados com fotografias de pinturas rupestres, artefatos e abrigos em rochas.

Bom Jardim, conforme o pesquisador, possui 12 sítios arqueológicos identificados e alguns paleontológicos na bacia do Rio Goiana. São abrigos em rochas que serviam de moradia e cemitério. Outros quatro sítios pré-históricos, com pinturas rupestres, foram localizados na bacia do médio Capibaribe e Riacho Ribeiro Grande, incluindo a região de João Alfredo. “Dois encontram-se totalmente destruídos pela ocupação urbana desordenada e dois estão 80% preservados. Há mais de 15 painéis pintados”, informa.

A cartilha, financiada pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe-Funcultura), é um produto da dissertação de mestrado de Severino Ribeiro. “Queria fazer alguma coisa para ajudar a preservar os sítios e o melhor caminho é a educação patrimonial.” Na mesma linha de raciocínio, estão sendo realizadas oficinas para alunos e professores.

Ele quer evitar novas destruições de patrimônio do município, como a que aconteceu este mês com uma casa que tinha a fachada revestida com azulejo português do século 19. O imóvel, segundo ele, representava tanto a arquitetura quanto a economia predominante na época, em Bom Jardim, a produção de algodão. “O proprietário demoliu toda a edificação”, lamenta.

Fonte:
Brasil, http://jc.uol.com.br/ (27/11/2009)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARAL: LO QUE REVELA EL HALLAZGO ARQUEOLÓGICO PERUANO DEL 2016

Estudio revela cuál fue causante de muerte de aztecas en México

Descubren en Guatemala rastros de un primer colapso en la civilización Maya