A emoção de alcançar a cidadela pela Trilha Inca

Sergio Neves/AE. Estradas. Rede de caminhos chegava a 40 mil quilômetros e entrelaçava todo o império

Depois de quatro dias de caminhada e 42 quilômetros entre montanhas que chegam a 4 mil metros de altitude, surge a recompensa: a cobiçada Porta do Sol.

Fábio Vendrame - O Estado de S. Paulo

MACHU PICCHU - A chegada à Porta do Sol é pura emoção. Dali avista-se pela primeira vez Machu Picchu. Difícil conter as lágrimas. Elas brotam sem que você se dê conta. Diante de olhos marejados uma viagem de sonhos converte-se em realidade e se materializa bem ali a sua frente, numa cidade de pedra. Recompensa para quem encara os 42 quilômetros de sobe e desce em zigue-zague nos Andes. Caminho que costura montanhas a altitudes que ultrapassam os 4 mil metros. Fazer a Trilha Inca é o tipo de experiência que costumamos classificar de conquista pessoal.

O trajeto completo dura quatro dias, com saída do quilômetro 88 da ferrovia que liga Cuzco a Águas Calientes. A opção é fazê-lo na metade disso, em dois dias, a partir do km 104. Seja qual for a escolha, é preciso agendar com antecedência, com agências e operadores credenciados.

As novas regras impostas pela direção do Parque Arqueológico Nacional de Machu Picchu estipulam um limite no número de andarilhos, e a espera pode alcançar até seis meses. Apenas 500 pessoas, entre turistas, carregadores, guias e cozinheiros, podem ingressar na trilha ao mesmo tempo. Postos de controle e orientação pontuam todo o percurso. O custo médio é de US$ 350 por pessoa, valor que inclui camping e alimentação.

Razoável preparo físico e, sobretudo, disposição mental ajudam no caminho. O trajeto que se convencionou chamar de Trilha Inca faz parte do Qhapaq Ñan, extensa rede de caminhos que entrelaçava todo o Império Inca, algo em torno de 40 mil quilômetros - contempla os territórios hoje ocupados por Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Chile e Argentina.

Também é fundamental carregar na mochila apenas aquilo que você vai realmente precisar. Apesar de a trilha permanecer acessível o ano todo, a melhor época para fazê-la é no inverno, quando não chove na região. Por isso, um bom casaco é importante. Mas saiba que será usado apenas ao anoitecer. De dia, você estará empenhado em vencer o irregular calçamento do percurso.

No primeiro dia de trilha, são sete horas de pernada até alcançar a área de camping situada em Huayllabamba. O tempo todo acompanhado por visuais espetaculares, com sequências de montanhas e o Rio Urubamba tronando forte no fundo do vale.

O segundo dia é bem mais puxado, exige esforços e fôlego extras para cumprir seus 16 quilômetros. Você há de superar o ponto mais elevado da trilha, o Warmi Wañusca, a 4,2 mil metros sobre o nível do mar. A jornada termina em Pacaymayo.

Depois da pauleira do dia anterior, o terceiro é até suave. São apenas mais 11 quilômetros de caminhada, e a maior parte do trajeto é plana, com poucas subidas e muitas descidas. Visita-se os sítios arqueológicos de Phuyupatamarca, Intipata e Wiñaywayna - um aperitivo para Machu Picchu.

O pernoite ocorre no acampamento-base, com direito a confraternização entre os viajantes. É quando gente do mundo inteiro se reúne e relata suas experiências até ali, a poucas horas de atingir o grande objetivo.

A saída do quarto dia é bem cedinho, antes de o sol nascer. Até porque a ideia é chegar à Porta do Sol (Intipunku, na língua incaica), a antiga entrada da área de acesso restrita a Machu Picchu, antes da aurora. Somente assim os viajantes acompanham a cidade ser paulatinamente iluminada pelos primeiros raios de sol. Dali em diante, apenas mais uma hora de caminhada antes de entrar na cidadela.

Alternativa. Menos procurada, a Trilha do Salkantay é uma opção à sempre concorrida Trilha Inca. São 50 quilômetros de percurso, entre o povoado de Mollepata e o vale do Rio Vilnacota, em Águas Calientes. Os aventureiros partem de 3.800 metros de altitude e chegam a 4.650 metros, em um caminho onde se observa a transição entre o clima seco dos Andes e o início da Amazônia.

Diversas empresas operam o trajeto, que, ao contrário da Trilha Inca, não tem limite de visitantes. Além do acampamento tradicional, há também o conforto dos lodges. O pacote com guias e refeições, cinco noites nos lodges e mais uma em Águas Calientes custa US$ 2.850 por pessoa na alta temporada. Informações:

www.mountainlodgesofperu.com./ COLABOROU ADRIANA MOREIRA

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,a-emocao-de-alcancar-a-cidadela-pela-trilha-inca,716961,0.htm (10/05/2011)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARAL: LO QUE REVELA EL HALLAZGO ARQUEOLÓGICO PERUANO DEL 2016

Estudio revela cuál fue causante de muerte de aztecas en México

Descubren en Guatemala rastros de un primer colapso en la civilización Maya