FORT CHIMO

Texto Dalton D. Maziero

Um dos grandes enigmas da arqueologia americana está localizado em uma das regiões mais inóspitas de nosso continente: a baía de Ungava, a cerca de 1200km ao norte de Quebec, no Canadá.

Nessa região, foram encontradas muralhas de pedra que datam de aproximadamente 500 a.C. Próximas a elas, inúmeros blocos de pedra empilhados a imagem de estátuas, formadas com pedras diferentes às encontradas na região. Os arqueólogos até hoje, não conseguiram precisar com segurança quem as trouxe, e de onde.

Os atuais habitantes – inuits – desconhecem a origem dessas obras, e explicam-nas através de lendas, que falam de uma raça de gigantes com língua diferente das deles.


Inuits

Alguns estudiosos arriscam dizer que a obra é um legado viking, anterior ainda à ocupação desse povo na Península do Labrador. Outros apontam para uma raça indígena extinta, pertencente à cultura Dorset, que teriam habitado a região. Essas teorias, contudo, são apenas meras especulações.

As estruturas foram analisadas superficialmente por Mathiassen (1928) e Gathorne-Hardy (1922 e 1932). As melhores anotações contudo, pertencem a Tanner (1941) e Wenner (1947). Infelizmente, os dados coletados não dispõe de estudo em radiocarbono que permitisse datar os achados de forma correta.




Arte regional, séc. XIX/XX. Semelhante à encontrada em escavações dos sitios arqueológicos.

Algumas pesquisas foram realizadas na década de 60 na região da Baia de Ungava e em Island Sculpin, com o mapeamento das estruturas e a suposta origem com o povo Dorset. A conclusão dessa aproximação provém, no entanto, por método de artefatos comparados. Nas proximidades de um grupo de “esculturas”, encontraram uma espécie de sambaqui, e ossos de animais enfiados nas fendas das ruínas.

Até mais do que a dúvida de qual cultura pertence tal obra, perturba o fato – e o motivo – da construção do muro de pedra. Seria uma forma de proteção? Contra o que?

O mistério persiste...

Para os que estão interessados em ir mais fundo nessa história, acessem texto em inglês (PDF) do autort Barry Matthews:








“Archaeological Sites in the Labrador-Ungava Peninsula: Cultural Origin and Climatic Significance.”
http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:uYWSHQ5a6soJ:pubs.aina.ucalgary.ca/arctic/Arctic28-4-245.pdf+%22fort+chimo%22%2Barchaeology&hl=pt-br&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESiSTpSZL3tATOc4DzEXRC9PrnE9dt92vwyqLP6FGR6FVN-ZgDCkI3hsK524DEKGwJg_a1uUMc-z_AFuhhvGDNv23aty0D_S7o2U4cDW2vYDY_yVUMy1Cnt6DsKfhBaa2sEMZ1Gs&sig=AHIEtbTVsl_aIvYHPPej9vCNSuqlDcrvKg

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARAL: LO QUE REVELA EL HALLAZGO ARQUEOLÓGICO PERUANO DEL 2016

Estudio revela cuál fue causante de muerte de aztecas en México

Descubren en Guatemala rastros de un primer colapso en la civilización Maya